Miguel Schincariol / AFP
Miguel Schincariol / AFP

'Nervosinho'? Tite responde crítica de Arce: 'Pedi para não baterem por trás'

Treinador paraguaio vê exageros nas reclamações do selecionador brasileiro

Felippe Scozzafave, O Estado de S.Paulo

29 de março de 2017 | 07h28

Logo após a derrota do Paraguai para o Brasil por 3 a 0 na Arena Corinthians, o técnico paraguaio Arce deu uma cutucada em Tite, dizendo que o treinador brasileiro era "nervosinho demais" e que "apelou" sem razão por causa de uma falta em Neymar. Poucos minutos depois, durante sua entrevista, o comandante do Brasil explicou a confusão com o adversário, dizendo que pediu apenas para os rivais não apelarem.

"Vamos esclarecer o que falei para ele: 'Por trás, não! Por trás, não!'. Eu não disse que ele mandou bater. Eu fui porta-voz do lance por trás no Neymar, que é um lance que merecia expulsão. Eu falei isso, por trás, não. Quem tem imagem, pode ver. Foi isso que cobrei dele. Lealdade", explicou o brasileiro, que aproveitou a oportunidade para negar que o adversário tenha sido maldoso durante o jogo, apesar da superioridade do time da casa: "Eles não foram desleais. Usaram o artifício de falta só. Só naquele lance do Neymar. E não foi uma crítica a ele. Não foi, peguem a linguagem labial".

O treinador brasileiro, que durante a entrevista coletiva ainda pôde comemorar a classificação antecipada do Brasil para a Copa do Mundo de 2018, elogiou a postura do time treinado por Arce, que pode ter aprendido muito do que sabe no futebol brasileiro, já que fez história com as camisas de Grêmio e Palmeiras: "O Paraguai veio muito bem fechado. Tivemos dificuldade na articulação para que a bola chegasse no Neymar, porque estavam bloqueando. Em compensação, davam o lado direito para o Coutinho, que buscou essa saída. A nossa equipe teve um grau de concentração muito grande durante os 90 minutos".

Com 33 pontos somados em 14 jogos nas Eliminatórias, o Brasil é a primeira seleção, além da Rússia, a garantir lugar no próximo Mundial. Já o Paraguai, com 18, precisa de bons resultados nas quatro rodadas finais a serem disputadas na competição para ainda ter chances de ir à Copa, o que não acontece desde a edição de 2010. Na ocasião, os paraguaios, chegaram até as quartas de final, sendo eliminados pela Espanha, que, dias depois, seria campeã mundial.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.