Neta de Dualib causa polêmica no Corinthians

Carla Dualib pouco vai ao Parque São Jorge, embora seja conselheira do Corinthians. Mesmo assim, nos últimos meses seu nome se tornou um dos mais comentados nos bastidores do clube. A neta do presidente Alberto Dualib, que cuida do Marketing de Marca do Corinthians, é personagem central de algumas das maiores discussões entre os integrantes da diretoria corintiana.É bom destacar que o Departamento de Marketing do Corinthians é dividido em duas diretorias. A primeira é uma espécie de Marketing Institucional, que cuida do relacionamento com o associado e adequações do clube à legislação, seja civil ou esportiva, e que tem à frente Luiz Granieri. A segunda - essa comandada de maneira terceirizada por Carla, via sua empresa, a Sports Marketing Agency (SMA) -, é responsável pelo "Marketing de Marca". Entre outras funções estão a negociação de contratos com eventuais parceiros comerciais (patrocinadores) e a elaboração de planos e estratégias para divulgar a marca.Importantes diretores e conselheiros não são simpáticos à idéia de familiares do presidente estarem à frente de importantes áreas da administração. Alegam que se trata de nepotismo, que a atitude não pega bem diante da opinião pública e, assim, deveria ser evitada. Poucos realmente pensam dessa forma. A maioria gostaria mesmo de vê-la fora por uma simples questão de vaidade ou vontade de ocupar o cargo, considerado um dos de maior destaque, seja pela importância estratégica, seja pelo volume de dinheiro ao qual se tem acesso.Dois outros detalhes pesam contra a neta do presidente. O primeiro é uma certa dose de ingenuidade ou descaso. Quando decidiu trabalhar para outros clubes, os chamados arqui-rivais corintianos, casos de Palmeiras e São Paulo, Carla e sua equipe acharam (e continuam achando) que não haveria problema. Afinal, são profissionais e estão no mercado para atender a quem se dispuser a contratar seus serviços. Só se esqueceram que a maior parte das pessoas envolvidas na administração de clubes é amadora, com visões retrógradas e arcaicas. Em resumo, simples torcedores, diferenciados apenas na vestimenta. Em vez de gorros e camiseta, trajam terno e gravata.Dessa forma, a cada nova negociação que Carla ou sua empresa tiver com outro clube, o ambiente ferverá. No Morumbi, no Parque Antártica ou, sobretudo, no Parque São Jorge, o comentário sempre será o de que "a neta do presidente está ajudando o São Paulo ou o Palmeiras" ou então que "a neta do presidente vai entregar para os dirigentes corintianos toda a estratégia do São Paulo ou do Palmeiras".O segundo detalhe é a imagem pouco simpática que Carla cativou entre a cúpula corintiana. Considerada pessoa extremamente vaidosa e centralizadora, carrega o fardo da suspeita de utilizar o cargo para promover mais a si mesma do que o clube. Hoje, conta com número maior de pessoas "caçando" problemas em cada trabalho seu do que propriamente gente disposta a auxiliá-la.Saia-justa - Um dos que mais sofrem com a situação é Alberto Dualib. O presidente corintiano, de 83 anos, não é de hoje, se diz cansado da exigente e desgastante rotina de mandatário. Porém, para sustentar a neta no cargo, sabe que não pode deixar o poder. Qualquer um dos possíveis candidatos, se eleito, fatalmente tiraria da SMA o direito de negociar em nome do Corinthians.Assim, Dualib já definiu que será candidato a mais um mandato nas eleições de 2004. E para continuar, terá de recorrer a uma das mais elementares características da política: o ato de ceder. Não será surpresa, portanto, que alas até pouco tempo atrás sumidas do clube, reapareçam com força.

Agencia Estado,

04 de janeiro de 2004 | 11h58

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.