Neta de Dualib compra briga com a MSI

Carla Dualib, neta de Alberto Dualib, presidente do Corinthians, declarou, nesta terça-feira, que, se for necessário buscar o que acredita ser seu direito, vai comprar briga com Kia Joorabchian, presidente da MSI, parceira do Corinthians. "Não nasci para brigar, não queria o desgaste da Justiça, mas também não quero ser passada para trás", declarou à Agência Estado. Sua empresa, a Sport Marketing Agency (SMA), iniciou os contatos entre Kia e a Samsung, que, na semana passada, assinou contrato de dois anos com a MSI para patrocinar a camisa corintiana. Ela alega, assim, ter direito a uma comissão - de 5% a 10% do total - pelo negócio, que renderá R$ 30 milhões (R$ 15 milhões por ano) à MSI. O iraniano, porém, não admite lhe pagar nada. "Nós investimos tempo e dinheiro no caso da Samsung e temos direito à comissão", observou Carla. "Acho que, do ponto de vista político, a MSI deveria ter mais respeito com o Corinthians". Carla revelou que o primeiro encontro entre ela, Kia e um representante da Samsung ocorreu no segundo semestre de 2004. "Só que o Kia iniciou pedindo R$ 23 milhões por ano e depois R$ 28 milhões, o que inviabilizou o negócio na ocasião". De acordo com a proprietária da SMA, dirigentes da multinacional coreana voltaram a procurar Kia recentemente e o presidente da MSI resolveu aceitar oferta menor para assinar o contrato. "É a mesma coisa que você paquerar alguém, ficar noiva e, na hora do casamento, vem outra pessoa, pega no braço do seu noivo e o leva embora". A neta do presidente do Corinthians já foi à Justiça. Na sexta-feira, Kia foi notificado por um oficial. Mas não pensa em mudar de idéia. Nesta terça, sua assessoria disse que a MSI não se pronunciaria sobre o tema. Mas, na semana passada, em visita à Agência Estado, ele criticou bastante a forma como é encarada a questão das comissões no País. "No futebol brasileiro todo mundo quer comissão", afirmou. "Como vou explicar aos investidores que pagamos uma comissão pela intermediação de um patrocínio?" Kia disse, ainda, considerar absurdo o fato de que boa parte dos clubes fecha os balanços anuais com déficit. "O futebol é conduzido por famílias, o que não é certo. É preciso defender os interesses do clube", acrescentou. "Acho impossível os clubes brasileiros darem prejuízo, não dá para entender isso. Só pela má administração". A polêmica envolvendo a comissão do patrocínio irritou bastante Alberto Dualib. O presidente do Corinthians acha que Kia está passando dos limites em suas atitudes e, a amigos, disse não descartar, no futuro, uma rescisão no vínculo com a MSI, caso as diferenças entre clube e parceiro continuem existindo. Conselheiros também vêm reclamando de Kia. Acham que ele anda ignorando certas normas do Corinthians. E isso preocupa Dualib. Ele precisa de apoio do Conselho para ser reeleito em janeiro de 2006.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.