Márcio Cunha / ACF
Márcio Cunha / ACF

Neto vira dirigente e será 'ponte' entre jogadores e diretoria da Chapecoense

Clube catarinense bancará alguns cursos para o ex-jogador se aprimorar na nova profissão

Redação, Estadão Conteúdo

30 de dezembro de 2019 | 13h46

O ex-zagueiro Neto exercerá outra função no futebol. Após pendurar as chuteiras, ele será dirigente da Chapecoense em 2020. Apesar da sua atividade ainda não ter sido detalhada, Neto atuará como "ponte" entre jogadores e dirigentes.

O clube catarinense bancará alguns cursos para o ex-jogador se aprimorar na nova profissão. Neto tem contrato com a Chapecoense até o final de 2020. Ele, aliás, já trabalha nos bastidores do clube, mas só deverá ser anunciado oficialmente na primeira semana de janeiro.

"O meu corpo não aguentava mais. As dores eram maiores que o prazer. Conversei com os médicos. Aparentemente, no dia-a-dia não tinha dores, mas nos treinos em alto nível o corpo não aguentava. Foi o que mais me entristeceu", disse Neto, quando anunciou a sua aposentadoria dos gramados.

Natural do Rio de Janeiro, Neto começou a carreira no paranaense Francisco Beltrão e passou por Cianorte-PR, Guarani, Metropolitano-SC e Santos. Na Chapecoense, ele foi campeão da Sul-Americana em 2016 e bicampeão catarinense em 2016 e 2017.

Neto é um dos sobreviventes do acidente aéreo ocorrido em 2016 que vitimou 71 pessoas. A Chapecoense voava para a Colômbia, onde decidiria o título da Sul-Americana diante o Atlético Nacional. O clube colombiano, em virtude da tragédia, abriu mão da disputa pelo título e o troféu ficou com os brasileiros.

Tudo o que sabemos sobre:
Chapecoense

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.