Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Ney Franco defende trabalho e diz não temer demissão no São Paulo

Possível eliminação na fase de grupos da Libertadores deixará técnico pressionado

Fernando Faro, Agência Estado

16 de abril de 2013 | 20h17

SÃO PAULO - Uma eventual eliminação na fase de grupos da Copa Libertadores fará as cornetas soarem alto no São Paulo e um dos alvos preferenciais certamente será Ney Franco. No entanto o treinador, que já ouviu alguns xingamentos das arquibancadas, tem demonstrado serenidade ao falar do futuro e diz não se preocupar com uma possível demissão em caso de eliminação.

Ao comentar os desdobramentos de uma queda, o técnico deixou a decisão nas mãos da diretoria, mas usou os números para argumentar que deveria ser mantido.

"Essa pergunta não deve ser para mim. Eu creio que não (deveria ser demitido), acho que o projeto tem que continuar. Se olharmos os números das competições que disputei, seja o Paulista, o Brasileiro do ano passado ou a Libertadores, estamos muito bem. Mas se realmente a Libertadores for tudo isso e significar a interrupção do projeto não serei eu a avaliar", ponderou.

A tendência é que o treinador seja mantido mesmo em caso de fracasso. Na avaliação do presidente Juvenal Juvêncio, Ney tem feito um bom trabalho no geral apesar do fraco desempenho na Libertadores. Pesa a seu favor o fato de ter sido o primeiro a levantar um troféu (a Copa Sul-Americana do ano passado) desde a saída de Muricy Ramalho em 2009.

O técnico inclusive revelou que já fez o planejamento até o fim do ano com a diretoria, incluindo a pausa para a disputa da Copa das Confederações. Ney Franco já indicou alguns reforços para o segundo semestre, em que o clube jogará o Campeonato Brasileiro, a Recopa Sul-Americana, a Copa Suruga e a Copa Sul-Americana.

"A ideia é fechar a temporada aqui. Temos tudo planejado para o prosseguimento da temporada, inclusive o que será feito para o Brasileiro e as demais competições", emendou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.