AFP
AFP

Neymar, Messi e Suárez dão mais um espetáculo e Barça faz 6 na Roma

Com 13 pontos, Barça confirma classificação às oitavas de final

Estadão Conteúdo

24 Novembro 2015 | 19h44

O Barcelona mostrou, nesta terça-feira, que pode jogar um futebol ainda mais vistoso do que aquele apresentado na goleada por 4 a 0 sobre o Real Madrid, no sábado. Agora com Messi desde o início, o trio sul-americano formado pelo argentino, por Neymar e por Suárez deu um espetáculo histórico, levando o Barça a uma goleada por 6 a 1 sobre a Roma pela Liga dos Campeões. No linguajar futebolístico, ainda vale o "fora o baile".

Messi, Suárez e Neymar parece terem jogados juntos a vida toda. Trocam passes com uma velocidade impressionante, mostrando saber com precisão onde o companheiro vai estar para receber cada bola decisiva. O argentino e o uruguaio fizeram dois gols cada um. Neymar perdeu um pênalti, mas Adriano marcou no rebote e garantiu o gol brasileiro do dia.

Poderia ter sido mais se, logo aos 5 minutos, o bandeirinha não tivesse anulado um gol legal de Messi, após passe de Neymar. O placar acabou aberto aos 14 minutos. De Neymar para Daniel Alves, para Suárez. Até a bola parar na rede, nove jogadores do Barça trocaram passe - só Rakitic e o goleiro ficaram fora da brincadeira.

Três minutos depois, o problema foi resolvido. Sequência de 29 passes, envolvendo até mesmo o croata. Na hora do gol, Messi tabelou com Neymar, depois com Suárez, recebeu na cara do goleiro e bateu naquela cavadinha só ele sabe dar.

Só o terceiro gol não saiu de uma linda troca de passes. Mas foi melhor assim. Neymar foi para cima de Maicon pela esquerda e cruzou. A zaga rebateu e Suárez pegou um sem pulo, antes que a bola caísse, e mandou um torpedo indefensável. Golaço tanto quanto os outros.

A brincadeira era "três vira, seis acaba". No começo da segunda etapa, o chamado "Trio MSN" trocou passes até que Messi deu para Piqué completar para o gol vazio. No quinto gol, quem piscou não viu como a bola que estava com Neymar na ponta esquerda chegou a Messi, passando antes por Suárez. A pobre zaga da Roma só assistiu a triangulação, que terminou com gol do argentino, no rebote.

Neymar participou de todos os gols e poderia ter feito o sexto. Aos 31, ele foi derrubado na área por Uçan, que havia acabado de entrar. Na batida, parou em Szczesny, mas Adriano pegou o rebote e, numa bomba, mandou para as redes.

O jogo só não terminou em sete porque Messi ainda perdeu um lance cara a cara com o goleiro, após boa assistência do lateral-esquerdo brasileiro. Do outro lado, a Roma teve um pênalti a favor, mas Ter Stegen pegou a cobrança de Dzeko. O bielo-russo se redimiu fazendo o gol de honra, de cabeça, no último lance.

Com 13 pontos, o Barcelona já garantiu o primeiro lugar do Grupo E, restando cumprir tabela contra o Bayer Leverkusen, fora de casa, em 9 de dezembro. O time alemão, que mais cedo ficou no 1 a 1 com o BATE Borisov na Bielo-Rússia, tem os mesmos cinco pontos que a Roma, com os italianos levando a melhor no confronto direto.

GRUPO H

Na França, o Lyon perdeu de 2 a 1 do Gent, levando um gol aos 50 minutos do segundo tempo, e se despediu amargamente da Liga dos Campeões. Os franceses, que contam com o lateral-direito Rafael, ex-Manchester, entre os titulares, têm só um ponto. Os belgas foram a sete, em segundo. Na última rodada, recebem o Zenit, de campanha 100%, dependendo só de si para avançar. O Valencia, que tem seis pontos, joga contra o Lyon na Espanha e também sonha.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.