Gonzalo Fuente/Reuters
Gonzalo Fuente/Reuters

Neymar admite chateação com vaias e explica polêmica do pênalti: 'Sou o batedor'

Atacante brasileiro marca duas vezes em goleada por 4 a 0 após voltar de contusão

Estadão Conteúdo

27 Janeiro 2018 | 18h14

Dez dias depois de ouvir as vaias da torcida do Paris Saint-Germain na goleada por 8 a 0 sobre o Dijon, Neymar desabafou neste sábado. Momentos após decidir o duelo deste sábado com o Montpellier, ao marcar dois gols no triunfo por 4 a 0, o brasileiro admitiu ter ficado chateado com a atitude vinda das arquibancadas naquela ocasião.

+ TEMPO REAL - Confira os lances da partida

+ Confira a tabela de classificação do Campeonato Francês

+ Neymar marca 2, Cavani supera Ibrahimovic e PSG goleia outra vez pelo Francês

"Claro que fiquei chateado com as vaias no final, mas o jogador está ali para isso. Para ser vaiado ou aplaudido. Depende de cada torcedor para que ele venha ao estádio. Mas eu estou acostumado tanto com as vaias quanto com os aplausos", declarou.

Há dez dias, Neymar havia marcado três gols e dado duas assistências quando Cavani sofreu pênalti no fim do duelo com o Dijon, quando o placar apontava 7 a 0 para o PSG. A torcida esperava que ele, apesar de ser o cobrador oficial, cedesse a penalidade ao uruguaio, que precisava de um gol para se tornar o maior artilheiro do clube em todos os tempos. Mas o brasileiro não o fez, e acabou vaiado mesmo tendo marcado o gol.

"O treinador me definiu como o batedor de pênalti, não teve nenhuma polêmica com isso. A gente sabe do que aconteceu no vestiário. Ele decidiu isso, então eu tenho que assumir essa responsabilidade", disse. "Quanto às minhas responsabilidades, eu sei de todas elas. Eu não estou aqui para me esconder. Eu vim aqui para assumir elas."

O esperado gol de Cavani, então, só sairia três partidas mais tarde, justamente na vitória deste sábado sobre o Montpellier. "Claro que a gente torcia para o Cavani bater o recorde, como bateu hoje. A gente fica contente com isso, sabia que uma hora ou outra ia chegar o gol dele. Ele tinha mais 30 jogos no ano", comentou Neymar.

Cavani também tentou acabar com qualquer polêmica sobre Neymar e elogiou o brasileiro. "O Neymar está fazendo muito pelo clube. A coisa mais importante é que sigamos evoluindo e que nos mantenhamos unidos."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.