Neymar admite má fase no Santos após final do Paulista

Na segunda entrevista coletiva de sua carreira no Centro de Treinamento Rei Pelé, nesta quinta-feira, e sem a presença de seu pai, Neymar admitiu que teve uma queda de produção depois das semifinais do Campeonato Paulista, quando desequilibrou os dois jogos contra o Palmeiras.

SANCHES FILHO, Agencia Estado

21 de maio de 2009 | 20h23

"Em parte é porque os adversários estão marcando mais forte", justificou o garoto. "Também o meu futebol oscilou. O que é normal, como o professor Mancini disse antes", reconheceu. "Acredito que essa situação seja passageira e vou procurar trabalhar mais forte para voltar a jogar como antes".

Neymar preferiu não opinar sobre as declarações do técnico Vágner Mancini de que ele poderá ir para a reserva se não reagir logo, e que a medida seria uma forma de preservá-lo. "Isso não depende de mim e também não me importa. A decisão é do treinador e o que eu quero é ser útil ao Santos, como titular ou na reserva", afirmou o atacante.

A maior esperança santista, cuja multa contratual para clubes do exterior é de 30 milhões de euros, reconhece que ainda passa por um processo de amadurecimento, mas nega que não consiga encarar com naturalidade as provocações de jogadores mais experientes.

"Isso não me preocupa porque sei que dentro de campo ninguém é amigo de ninguém. Fora, até fiquei amigo no Christian, do Corinthians, na festa de premiação do Campeonato Paulista. Mas lá dentro cada um se preocupa em ganhar o seu pão", disse a promessa santista.

No domingo à tarde, Neymar vai realizar um sonho dos tempos de criança: jogar no Maracanã. "Quando eu era da base, a gente sempre brincava dizendo que um dia ia jogar no Maracanã. Agora está chegando a hora e estou um pouco ansioso". Para ele, o Santos terá uma grande oportunidade de conseguir a primeira vitória no Campeonato Brasileiro. "Mas como o Fluminense foi eliminado da Copa do Brasil vai partir com tudo para cima do Santos. Além disso, é um time forte, do goleiro ao ponta-esquerda", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.