Pau Barrena/AFP
Pau Barrena/AFP

Neymar afirma não ter escutado xingamentos racistas em partida

Atacante se manifesta após polêmica em clássico da Catalunha

O Estado de S. Paulo

04 de janeiro de 2016 | 14h47

Atualizado às 16h59

O brasileiro Neymar falou pela primeira vez publicamente sobre as injúrias raciais sofridas no empate em 0 a 0 entre Barcelona e Espanyol, pelo Campeonato Espanhol. Em declaração ao veículo espanhol Atresmedia, o atacante disse não ter escutado as ofensas vindas dos torcedores rivais durante o clássico da Catalunha, disputado na casa do adversário.

Um dos principais artilheiros da competição, com 14 gols, Neymar afirmou que não ouviu os cânticos racistas, flagrados pelo canal de televisão La Sexta, por estar concentrado no duelo. "Não escutei os gritos. Não escuto coisas fora do campo, só jogo futebol."

Por outro lado, o presidente do Espanyol, Joan Collet, que negou veementemente os gritos de parte da torcida em entrevista no domingo, mudou um pouco o tom em conversa com o jornal Mundo Deportivo publicada nesta segunda-feira.

O dirigente agora admite que os gritos teriam ocorrido, mas minimizou o fato. "Está se dando muita importância a esses gritos e foi uma minoria. Ali, no campo, não consegui ouvir nem identificar isso. Os gritos de 'uuh', 'uuh' (em alusão ao som de macacos, entoados contra Neymar na ocasião), eu ouço todo domingo sobre todos (jogadores), principalmente em relação ao Cristiano Ronaldo. E isso não é um insulto, não interpreto como a imitação do som de um macaco", disse.

Collet, porém, afirmou que o clube punirá 'comprovadas' manifestações racistas por parte de seus torcedores. "Foi uma minoria, mas está claro que, se no fim das contas, identificarem um grito racista, o Espanyol considera punível. Ninguém pode assegurar que seja um grito racista; mas, se for assim, o Espanyol irá atrás."

Segundo o jornal espanhol As, a Liga de Futebol Profissional (LFP), que organiza o campeonato nacional do país, já teria em mãos vídeos e áudios mostrando as ofensas, que podem resultar em punição ao time catalão. Casos de racismo envolvendo torcedores do Espanyol contra atletas do Barcelona já haviam ocorrido em abril do ano passado, quando imitações de macacos foram direcionadas ao próprio Neymar e ao também brasileiro Daniel Alves.

OUTRO LADO

Se hoje são os atletas do Barcelona que sofrem com torcedores do Espanyol, a situação já foi diferente há alguns anos. Em 2009, o goleiro camaronês Carlos Kameni afirmou ter sido alvo de insultos racistas vindos de torcedores do clube azul-grená durante um clássico entre as equipes. Mesmo com a denúncia do arqueiro, a federação de futebol do país e a liga local não puniram o Barça.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.