Neymar brilha e se consagra como novo líder da seleção

Autor do segundo gol brasileiro diante da Espanha, atacante terminou a competição com quatro tentos

AE, Agência Estado

30 de junho de 2013 | 21h01

RIO - Neymar já estava consagrado há algum tempo como o melhor jogador do futebol brasileiro na atualidade, mas ainda faltava brilhar com a camisa da seleção. A campanha na Copa das Confederações, encerrada com o título conquistado neste domingo, serviu para finalmente coroar o jovem craque de 21 anos como o novo líder do time do Brasil.

A primeira convocação de Neymar para a seleção foi logo depois da Copa do Mundo de 2010. Desde então, ele virou titular absoluto da equipe, seja sob o comando de Mano Menezes ou de Luiz Felipe Scolari. Faltava, porém, uma atuação consagradora com a camisa do Brasil, o que aconteceu agora durante a disputa da Copa das Confederações.

Felipão abriu mão de convocar antigos astros como Ronaldinho Gaúcho e Kaká, apostando em Neymar para ser o grande destaque da seleção. O garoto não se intimidou: pediu logo a camisa 10, a mais emblemática do futebol brasileiro. E correspondeu às expectativas dentro de campo, com atuações decisivas em todos os jogos.

Finalmente vendido ao Barcelona, pouco antes de começar a Copa das Confederações, Neymar pôde se concentrar na seleção com o sonho pessoal de defender o clube espanhol já realizado. Em paz com a vida, o astro revelado pelo Santos começou a brilhar logo aos dois minutos do primeiro jogo, quando fez um golaço contra o Japão.

Ele voltou a marcar outro golaço no começo do jogo seguinte, diante do México. Diante da Itália, pela terceira e última rodada da primeira fase, Neymar fez mais um, dessa vez numa cobrança de falta no ângulo do consagrado goleiro Buffon. Assim, foi eleito o melhor em campo nas três vitórias brasileiras pelo Grupo A da competição.

Na semifinal, Neymar não marcou gols, mas ajudou o Brasil a ganhar do Uruguai. E na grande final deste domingo, no Maracanã, ele infernizou a defesa rival e também fez um golaço na vitória sobre a Espanha. Assim, pôde comemorar seu primeiro título com a camisa da seleção principal e mostrou que é mesmo o novo rei do futebol brasileiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.