Neymar causa preocupação a técnico de time chileno

A preocupação do técnico da Universidad de Chile, Jorge Sampaoli, nesta terça-feira, não poderia ser outra: Neymar. Para que o seu time tenha possibilidade de equilibrar o jogo de ida da Recopa Sul-Americana, contra o Santos, nesta quarta, no Estádio Nacional, em Santiago, ele pensa em adotar um esquema de marcação semelhante ao utilizado pelo Vélez Sarsfield, da Argentina, nos dois jogos das quartas de final da Copa Libertadores, e também ao da seleção do México na decisão diante do Brasil na Olimpíada de Londres.

SANCHES FILHO, Agência Estado

21 de agosto de 2012 | 20h30

"O Santos tem melhores individualidades, maior orçamento e um dos melhores jogadores do mundo", disse Sampaoli, colocando Neymar no mesmo patamar do argentino Messi, do Barcelona, e do português Cristiano Ronaldo, do Real Madrid. Ao ser perguntado de que forma o seu time pretende neutralizar o novo rei das Américas, o treinador da equipe chilena revelou que poderá adotar marcação por zona. "Como o Vélez e o México fizeram", disse.

O La Tercera, um dos jornais de Santiago, destacou na sua edição desta terça que, numa comparação entre as folhas de pagamento dos dois elencos, o Santos deixa a Universidad "em estado de pobreza máxima". Enquanto os chilenos gastam mensalmente US$ 300 mil (aproximadamente R$ 600 mil), a cifra santista é mais de dez vezes maior: US$ 3,5 milhões (cerca de R$ 7 milhões). A fortuna que Neymar ganha impressionou ainda mais. Segundo a publicação, o que o astro santista ganha em um ano entre salários e os 11 contratos de publicidade dá para pagar durante cinco anos e meio o futebol da Universidad.

Para o Santos, Neymar tem valor inestimável. Em vez de identificá-lo pelo nome, Muricy tem se referido a ele como "Fera". Ainda mais depois da transformação que o time santista sofreu após o seu retorno da seleção brasileira que disputou os Jogos Olímpicos. Sem Neymar, o Santos se arrastava nas últimas colocações do Campeonato Brasileiro, chegou a entrar na zona de rebaixamento e tinha o pior ataque da competição. Com a sua volta, o time ganhou dois jogos seguidos pela primeira vez no atual Brasileiro e marcou seis gols. Um deles foi de Neymar, que ainda participou diretamente de outros três.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.