EFE/ Yoan Valat
EFE/ Yoan Valat

Neymar celebra feito histórico e minimiza ausência na lista dos melhores da Fifa

Após chegar aos 30 gols na Liga dos Campeões, atacante tenta evitar polêmica, mas diz que quem entende de futebol sabe do potencial dele

O Estado de S.Paulo

03 Outubro 2018 | 18h33

Neymar fez história nesta quarta-feira, ao marcar três gols na vitória do PSG sobre o Estrela Vermelha por 6 a 1 e chegar a marca de 30 gols na Liga dos Campeões, igualando Kaká, como o segundo brasileiro com mais gols na Liga dos Campeões, com um gol a menos que Rivaldo. Após o jogo, ele comentou sobre o feito e comentou o fato de ficar fora da disputa pelo prêmio de melhores jogadores do mundo, dado pela Fifa.

"Fico feliz por ter igualado essa marca tão importante. O Kaká é um grande amigo que tive a honra de fazer parte da história dele. Estou feliz pela minha partida e pela a do time e espero que a gente consiga continuar assim", comentou o astro do clube francês, em entrevista ao canal TNT. 

Claramente escolhendo as palavras, Neymar comentou também sobre o fato de ter ficado fora da premiação dos melhores da temporada, prêmio dado pela Fifa. O brasileiro não apareceu sequer entre os dez melhores e nem na seleção da temporada.

"É a opinião de cada um. Está complicado esse assunto de melhor do mundo, mas a gente tem que respeitar a decisão lá de cima. Não quero falar nesse tema para não entrar em polêmica. Quem entende futebol sabe do meu potencial. Estou tranquilo e quer fazer uma grande temporada aqui", resumiu. 

O atacante ainda comentou sobre sua mudança de posição em campo, atuando mais como finalizador, ao contrário do que fazia nos tempos de Barcelona e até no próprio PSG, quando sua obrigação era mais servir ao uruguaio Cavani.

"Estou à disposição. Sou um cara que está aqui para ajudar o PSG e a seleção brasileira. Me sinto confortável nessa posição e só quero estar dentro de campo para ajudar meus companheiros", comentou. 

 

 

Mais conteúdo sobre:
Neymar futebol Paris Saint-Germain

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.