Claire Dornald Clauzel/AFP
Claire Dornald Clauzel/AFP

Após cirurgia, Neymar ficará até 3 meses parado e voltará em cima da Copa

Atacante chegou ao Brasil de cadeira de rodas na manhã desta quinta junto ao médico da seleção, Rodrigo Lasmar, que fará a operação sábado, em Belo Horizonte

O Estado de S.Paulo

01 Março 2018 | 09h19
Atualizado 02 Março 2018 | 10h21

O Brasil poderá ter seu principal jogador à disposição de Tite apenas três semanas antes do início da Copa da Rússia. Essa foi a previsão dada ontem pelo médico da seleção Rodrigo Lasmar, que nesta sábado vai operar o atacante Neymar no hospital Mater Dei, em Belo Horizonte. A lesão sofrida pelo jogador do Paris Saint-Germain é um pouco mais grave do que vinha sendo apresentada e poderá exigir até três meses de recuperação. Mesmo assim, o craque deverá estar em condições para o Mundial que começa no dia 14 de junho - o Brasil estreia dia 17, contra a Suíça.

Neymar e Rodrigo Lasmar chegaram ontem de Paris. O jogador circulou pelo Aeroporto do Galeão, no Rio, em uma cadeira de rodas, impossibilitado de colocar o pé direito no chão, e foi direto para sua casa em Mangaratiba, no sul fluminense. Hoje, segue para a capital mineira e amanhã de manhã passará por cirurgia.

+ Paris Saint-Germain confirma que Neymar será operado

+ Sem Neymar, Di María brilha e PSG avança à semi da Copa da França

A unidade do Mater Dei em que Neymar passará pela cirurgia foi inaugurada às vésperas da Copa de 2014. Foi escolhida por Lasmar por sua estrutura. O médico mineiro opera no hospital com boa frequência. 

Segundo o médico da seleção, o jogador sofreu fratura no quinto metatarso do pé direito - e não uma fissura, como vinha sendo informado pelo PSG. “É uma fratura importante num osso do pé, e a recuperação leva de dois meses e meio a três meses”, disse Lasmar. 

 

“Há diversos tipos de fratura. Para uma como essa, que muitas vezes vem silenciosa e acaba com um evento agudo, como aconteceu com o Neymar, não resta dúvida. A melhor e única indicação é o tratamento cirúrgico”, explicou o médico. “O tratamento conservador (sem cirurgia) dá uma chance muito grande de refratura dentro de um prazo muito curto. Não podemos correr esse risco.”

Caso o prazo de recuperação mais longo se confirme, Neymar só voltaria aos gramados no fim de maio, isso se não tiver nenhuma complicação. Dessa forma, perderia até as últimas rodadas do Campeonato Francês e teria remotas chances de disputar a final da Liga dos Campeões - claro, desde que o PSG avance na competição. A decisão será no dia 26 de maio.

Além disso, Neymar se apresentaria à seleção brasileira sem ritmo de jogo. Tite vai anunciar a lista de convocados para a Copa até 14 de maio, e o elenco começará a trabalhar na Granja Comary, em Teresópolis, a partir do dia 21. Até a estreia do time na Copa o Brasil fará dois ou três amistosos.

O que já é certo é que o principal jogador do País não estará com a seleção nos dois jogos preparatórios marcados para o mês que vem, diante de Rússia e Alemanha. No início da semana, antes de se saber a gravidade da lesão, a comissão técnica da seleção decidiu adiar a convocação para essas partidas muito em função da esperança de poder contar com o atacante. A lista, que seria anunciada hoje, será conhecida apenas no dia 12.

Após a cirurgia, é possível que Neymar passe pelo menos uma noite em observação no hospital - a decisão vai depender de critérios médicos. Ainda não está definido se ele fará o trabalho de reabilitação no Brasil ou na França.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.