Benoit Tessier/Reuters
Benoit Tessier/Reuters

Neymar completa um ano de PSG com fama, fortuna e muita polêmica

Camisa 10 da seleção brasileira enlouqueceu rapidamente os torcedores franceses, mas perdeu crédito na mesma velocidade

Estadão Conteúdo

03 Agosto 2018 | 10h04

Fama, fortuna, gols e muita polêmica. Assim chega Neymar ao fim de seu primeiro ano na equipe do Paris Saint-Germain. Contratado por 222 milhões de euros, maior transação da história do futebol, o camisa 10 seleção brasileira enlouqueceu os torcedores franceses em sua primeira partida no Parque dos Príncipes, ao marcar dois gols, dar duas assistências e sofrer um pênalti na goleada por 6 a 2 sobre o Toulouse.

+ Neymar chega à China e inicia pré-temporada com o Paris Saint-Germain

Mas a relação de amor começou a esfriar após apenas 45 dias. No fim do jogo contra o Lyon, o brasileiro pediu para bater um pênalti, cuja função era de Cavani. O uruguaio negou o pedido, mas desperdiçou a cobrança.

O ambiente no vestiário do time francês ficou pesado e o técnico espanhol Unai Emery não demonestrou ter pulso para equilibrar o ego de seus jogadores. No jogo contra o Dijon, apesar da goleada por 8 a 0 e dos quatro gols marcados, Neymar deixou o campo sob vaias, após não deixar Cavani bater um pênalti. Detalhe: o atacante estava a um de completar 100 pelo time francês.

A situação ficou ainda pior no clássico frente ao Olympique de Marselha, quando "Ney" acabou expulso, após receber dois cartões amarelos e cair na provocação do argentino Lucas Ocampos.

No final de fevereiro, o atacante sofreu uma fratura no pé que o impediu de atuar nos jogos decisivos da Liga dos Campeões, Campeonato Francês e Copa da França. O tratamento feito no Brasil após a cirurgia irritou torcida, imprensa e companheiros de equipe.

Os rumores de uma transferência para o Real Madrid e o fracasso com a seleção brasileira deixaram o craque em um patamar inferior ao daquele que ele estava ao se apresentar vindo do Barcelona. 

 

 

Mais conteúdo sobre:
futebol Neymar Paris Saint-Germain

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.