Neymar dá novo show e Santos está na final do Campeonato Paulista

Time venceu o São Paulo por 3 a 0 na Vila Belmiro e agora enfrenta o Santo André na grande decisão

ANDRÉ AVELAR, estadão.com.br

18 de abril de 2010 | 17h53

Márcio Fernandes/AE

Atacante Neymar empurra a bola com a mão para marcar o primeiro gol do Santos na Vila

SÃO PAULO - O Santos nem precisava, mas venceu o São Paulo por 3 a 0 neste domingo, 18, e está na final do Campeonato Paulista. Com dois gols, Neymar comandou a vantagem da sua equipe, que podia perder por até dois gols de diferença na Vila Belmiro para liquidar de vez o adversário. Paulo Henrique Ganso ainda fechou a conta.

Veja também:

linkNeymar volta a cobrar chance na seleção

linkDorival diz que resultado aumenta confiança  

linkRicardo reconhece superioridade do Santos

linkAtacante Washington reclama da reserva  

blog BATE-PRONTO: Favoritismo à prova

lista PAULISTÃO: Calendário / Resultados

som TERRITÓRIO ELDORADO: Ouça os gols

Atual vice-campeão do estadual, o Santos agora encara o Santo André em 25 de abril e 2 de maio pelas finais. O São Paulo se despede da competição com derrota em todos os clássicos.

PRA CIMA

Em busca do resultado, Ricardo Gomes mexeu na equipe. O técnico tirou os laterais Jean e Júnior César para promover as entradas de Cicinho e Richarlyson, que voltou depois de sete partidas. No ataque, a grande surpresa: o artilheiro Washington deu lugar ao veloz Fernandinho. Dono da vantagem, o técnico Dorival Júnior decidiu reforçar o seu meio-campo com Wesley e Arouca na marcação.

 

"Hoje temos um time mais veloz. As duas equipes estão acostumadas a impor o ritmo sobre os adversário. Pode ser uma partida de muitos gols", disse Ricardo. Do outro lado, Júnior até compartilhava a opinião. "Não dá para pensar na vantagem. Ela só vale no último minuto. Podemos ter tantos gols quanto no Morumbi (3 a 2 para o Santos).

 

Mas a formação tática das equipes não refletia o jogo apresentado. Em tese mais ofensivo, o São Paulo via o time da casa tomar as iniciativas. Por duas vezes, Robinho esteve frente a frente com Rogério Ceni e chegou até a reclamar de um pênalti não marcado.

 

O time tricolor só começou a levar perigo mesmo quando a grande substituição da tarde decidiu jogar. Fernandinho caiu pela ponta-esquerda e por lá esboçou algumas jogadas de efeito. Faltava a melhor conclusão em gol.

 

"A gente tem que ter mais tranquilidade. Estamos afobado para tocar a bola. Falta só fazer o primeiro gol", disse Hernanes, na saída para o intervalo. Do outro lado, Robinho pedia o mesmo. "O time está bem, a marcação está muito boa, mas falta caprichar na finalização."

 

 SANTOS 3
Felipe; Pará, Edu Dracena, Durval    , Léo; Arouca, Wesley, Marquinhos     (Rodrigo Mancha), Paulo Henrique Ganso; Robinho (Zé Eduardo) e Neymar (Madson)
Técnico: Dorival Júnior
 SÃO PAULO 0
Rogério Ceni    ; Cicinho    , Alex Silva    , Miranda, Richarlyson    ; Rodrigo Souto    , Cléber Santana (Washington), Hernanes    , Jorge Wagner; Dagoberto    e Fernandinho (Léo Lima)
Técnico: Ricardo Gomes
Gols: Neymar, aos 12 e aos 38; Paulo Henrique Ganso, aos 41 minutos do segundo tempo.

Árbitro: José Henrique de Carvalho

Estádio: Vila Belmiro, em Santos (SP)

EFEITO CONTRÁRIO

O esquema de Ricardo Gomes não funcionou. Sem um centroavante, Dagoberto e Fernandinho ficaram distantes um do outro e foram presas fáceis para os zagueiros santistas. Era a vez então de Washington.

 

O artilheiro do São Paulo entrou em campo, mas quem decidiu mesmo foi o atacante do Santos aos 14 minutos do segundo tempo. Marquinhos cruzou para área, Neymar tropeçou em Alex Silva e, mesmo caído, com o braço, marcou para o Santos.

 

Se a situação para o time do Morumbi já estava difícil, com o gol sofrido ficou ainda pior. O Santos, que já estava tranquilo, ainda teve um pênalti polêmico a seu favor no momento em que começava a poupar seus principais jogadores aos 38 minutos. Como na primeira fase, Neymar deu nova paradinha e, de novo, venceu Rogério Ceni. Foi o 12.º gol dele pelo Paulista, 21.º na temporada.

 

Para fechar a conta, aos 41, Madson avançou pela ponta-esquerda e cruzou para área. Paulo Henrique Ganso antecipou à zaga e só empurrou para o fundo do gol. Festa na Vila. Delírio da torcida santista, sem nem esperar o rigoroso protocolo de esperar o jogo acabar.

JF Diorio/AE

Santistas reclamaram de pênalti de Rogério Ceni no atacante Robinho; árbitro nada marcou

Márcio Fernandes/AE

São-paulinos reclamam do pênalti de Miranda em Neymar; atacante repetiu a paradinha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.