Mowa Press/Divulgação
Mowa Press/Divulgação

Neymar decola na artilharia e deve bater recordes importantes

Com 34 gols pela seleção, craque lidera lista de goleadores entre os 23 convocados para Copa

Luiz Antônio Prósperi, O Estado de S. Paulo

17 de maio de 2014 | 17h00

SÃO PAULO - Neymar ainda não tem currículo na seleção brasileira para que se possa comparar à façanha de Ronaldo e Ronaldinho Gaúcho. Aos 22 anos e a caminho da sua quinta temporada como jogador profissional, o craque, porém, acumula alguns números interessantes com a camisa amarela do time nacional.

Ele já fez 34 gols e lidera a artilharia da equipe entre os 23 convocados de Felipão que vão disputar a Copa do Mundo. Tem outro dado importante: soma 54 jogos pela seleção, atrás apenas de Julio Cesar, com 78 jogos, Daniel Alves, 74, e Maicon, 66, no atual grupo do Brasil.

Esta vai ser a primeira Copa do Mundo de Neymar. Ronaldo Fenômeno, aos 22 anos, disputava o seu segundo Mundial (na França, em 1998, quando fez quatro gols) – antes havia participado do grupo na conquista do tetra em 1994, nos Estados Unidos, mas não entrou em nenhum jogo.

Ronaldo se consagrou em 2002 ao voltar da Ásia como artilheiro do Mundial, com oito gols – deixou a sua marca em seis das sete partidas daquela competição. Em 2006, sua última Copa, cravou mais três e se consolidou como o maior artilheiro da história das Copas, com 15 gols.

Ronaldinho Gaúcho encarou a sua primeira Copa quando tinha 22 anos de idade, como Neymar agora, e foi peça importante na conquista do penta em 2002,na Coreia do Sul e no Japão. Fez um gol e apresentou seu cartão de visitas de candidato a craque. Jogou ainda o Mundial de 2006, na Alemanha, sem deixar nenhuma saudade. Não fez um mísero gol. Entrou na Copa e saiu dela sem ser notado.

COPA 2010

Ainda com esperanças de disputar o Mundial de 2010, na África do Sul, Ronaldo e Ronaldinho não foram convocados por Dunga e praticamente encerraram a carreira na seleção brasileira. Ronaldo foi vencido pelos efeitos das graves lesões que sofreu na carreira e a eterna guerra com a balança – despediu-se do futebol em 2011.

Ronaldinho ainda teve tempo para sonhar até com 2014, mas não conseguiu encantar Luiz Felipe Scolari. Aos 34 anos e preterido por Felipão na última convocação, já procura as chaves do armário nos vestiários para guardar as chuteiras e se retirar dos gramados.

Neymar terá pela frente pelo menos mais dois Mundiais após 2014, dizem os analistas. Tempo de sobra para pulverizar alguns recordes importantes e assumir um lugar de destaque na catedral da seleção brasileira. No Brasil, diferentemente de Ronaldo, que cresceu à sombra de Romário, e de Ronaldinho, que tinha as asas de Ronaldo Fenômeno a protegê-lo, Neymar não tem um grande craque em quem se escorar.

Terá de fazer carreira solo por um bom tempo na seleção. Seu primeiro desafio é gigantesco. Em casa, vai medir forças com Lionel Messi e Cristiano Ronaldo a partir de 12 de junho nos estádios brasileiros, até a consagração no dia 13 de julho, no Maracanã. Se for campeão, escreverá seu nome na história mais cedo do que se imaginava. Se não levantar a taça, vai ter de amargar a dura vida dos derrotados por muitos anos, como bem contou a geração da Copa de 1950.

DESEMPENHO NA SELEÇÃO

Ronaldo - 67 gols; 105 jogos; 5 títulos na seleção; 4 Copas disputadas

Ronaldinho - 35 gols; 102 jogos; 3 títulos na seleção; 2 Copas disputadas

Neymar - 34 gols; 54 jogos; 1 título na seleção; 0 Copas disputadas 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.