Manu Fernandez/AP
Manu Fernandez/AP

Neymar diz que ataque do Barcelona é superior ao do Real Madrid

Atacante atiça a rivalidade faltando poucos dias para o clássico

Estadão Conteúdo

11 Março 2015 | 12h49

Faltando pouco mais de uma semana para o clássico com o Real Madrid, Neymar atiçou a rivalidade espanhola ao afirmar nesta quarta-feira que o Barcelona tem um ataque melhor do que o rival e ao admitir que torceu pela queda do time de Cristiano Ronaldo na Liga dos Campeões, na terça-feira.

Participando de um evento de patrocinador, Neymar fez elogios ao trio de ataque formado por ele mesmo, Lionel Messi e Luis Suárez. Ao ser questionado se o Barcelona tinha um setor ofensivo melhor que o Real Madrid, do trio formado por Cristiano Ronaldo, Karim Benzema e Gareth Bale, o brasileiro não hesitou: "Creio que sim. Mas nós nos preocupamos com o que é nosso, não nos fixamos nos rivais e nos concentramos apenas nas próximas partidas."

Um dos próximos jogos do Barcelona é justamente contra o arquirrival. O clássico está marcado para o dia 22 e pode ser determinante para a definição do título do Campeonato Espanhol. "O clássico será uma final, estamos nos preparando para isso. É um rival muito difícil, mas só pensamos na vitória", declarou o brasileiro.

Ciente das qualidades do adversário, Neymar admitiu ter torcido contra o Real nesta terça. O time de Cristiano Ronaldo levou um sufoco do Schalke 04, em casa, e esteve perto de ser eliminado logo nas oitavas de final da Liga dos Campeões. Vencendo por 4 a 3, o time alemão só precisava de um gol para despachar o poderoso adversário. 

"Vi o jogo de ontem. E foi quase...", disse Neymar. Entre risos, o brasileiro reconheceu que torceu para que a partida tivesse mais dez minutos, dando tempo para o Schalke 04 anotar mais um gol.

Depois de "secar" o Real, o Barcelona voltará a campo pela Liga dos Campeões na próxima quarta-feira para novo duelo com o Manchester City. Após vencer o jogo de ida por 2 a 1, o time catalão avança às quartas de final com um empate em casa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.