Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Neymar diz que final será 'uma das melhores da história'

Atacante destacou que duas equipes tem um futebol parecido

ROBSON MORELLI - Enviado especial, Agência Estado

28 de junho de 2013 | 14h15

RIO - A final da Copa das Confederações de 2013 colocará os atuais campeões mundiais e bi da Eurocopa diante do time pentacampeão mundial, que conta com o fato de atuar em casa. Espanha e Brasil se enfrentam neste domingo, às 19 horas, no Maracanã, naquela que poderá ser uma das "melhores partidas da história". Pelo menos foi o que garantiu o atacante Neymar, principal esperança brasileira na busca pelo quarto título do torneio.

"São dois estilos parecidos, por gostarem de jogar. Equipes que não ficam muito atrás, saem para o jogo, gostam de atacar. Então vai ser uma das melhores partidas da história. Sabemos que podemos cravar nosso nome no futebol brasileiro e mundial, sabemos da importância dessa partida. Precisa ter coração, ir até o limite, usar a inteligência. Vai ser uma partida que vai ficar para o resto da minha vida", disse o atacante.

Apesar de o Brasil ser considerado o "País do futebol", é a Espanha que tem dominado o cenário no esporte. Com um estilo de troca de passes e valorização da posse de bola, montou uma seleção que já é considerada uma das melhores em todos os tempos. Neymar sabe disso, admite que os adversários são os melhores do mundo na atualidade, mas garante que o time brasileiro tem condições de superá-los.

"Temos que jogar futebol, não podemos ter medo de nada. Vamos enfrentar os melhores do mundo, mas temos grandes jogadores e somos a seleção brasileira. O respeito e a admiração por eles são grandes, mas dentro de campo nosso futebol é bonito, e confiamos muito um no outro para que possamos fazer um grande jogo e saiamos campeões", comentou. "Temos que ter o respeito, mas dentro de campo temos que nos impor."

Para superar o envolvente futebol espanhol, o Brasil terá que mostrar um grande desempenho em campo, mas conta também com a força das arquibancadas. Antes descrentes, os torcedores abraçaram a seleção nesta Copa das Confederações e o apoio tem contagiado e incentivado os jogadores.

"O que mostrarmos em campo, o torcedor responde do lado de fora. Com o entrosamento, o treinamento, encontramos um grupo maravilhoso fora de campo, melhor ainda dentro de campo, e isso deixa nossa equipe cada vez mais forte. E nessa competição a torcida tem sido o 12.º jogador. A força deles em todas as partidas nos incentivou até a final. Domingo esperamos que seja assim também", disse Neymar.

Se fora de campo a expectativa é que a torcida dê show, dentro dele é o próprio Neymar que carrega o peso de ser a maior esperança da seleção. O atacante, no entanto, não quer saber de levar essa responsabilidade sozinho. "A responsabilidade é de todo mundo. Não trabalhei sozinho aqui, isso é um grupo. Temos grandes jogadores", apontou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.