Paulo Pinto/AE
Paulo Pinto/AE

Neymar ganha apoio para ser negociado

Grupo Sonda, que detém 40% dos direitos econômicos do atleta, quer a negociação com o Chelsea

Daniel Batista, Jornal da Tarde

23 de julho de 2010 | 10h07

SÃO PAULO - Está cada vez mais difícil segurar Neymar na Vila. Wagner Ribeiro, empresário do garoto, e Neymar da Silva Santos, seu pai, já deixaram claro que entendem ser esse o momento ideal para o atacante fazer as malas e tentar brilhar na Europa. Quem também entrou na discussão para pressionar o presidente do Santos, Luís Álvaro de Oliveira, a aceitar a milionária oferta do Chelsea é o grupo Sonda, que detém 40% do contrato do jogador.

Um representante do grupo confidenciou ao JT que a empresa estaria disposta a receber menos de sua parte somente para ter a negociação feita. O Chelsea ofereceu 20 milhões (R$ 45, 9 milhões) para levar o garoto.

O Peixe disse não e afirmou que Neymar só é negociado pelo valor da multa rescisória: 35 milhões (R$ 80,46 milhões). É aí que entra o Sonda forçando a barra. Oficialmente, se alguém pagar a multa, o Sonda recebe 14 milhões (R$ 32,18 milhões). "Mas por uns dez milhões de euros, a gente faz negócio", garantiu o representante da empresa, abrindo mão de quase um terço do montante que tem direito.

O Chelsea teria de subir sua oferta em mais 11 milhões (R$ 25,2 milhões). Isso se o Santos não abrir mão de nada. Representantes da empresa acreditam ser pouco provável que uma proposta maior apareça. Eles também acreditam que o momento é ideal pela abertura do mercado e porque Neymar é apontado na Europa como promessa do futebol brasileiro.

Enquanto isso, o clube tenta de todas as formas segurá-lo. Pagando um salário de R$110 mil mensais, além de bônus por conquistas, o Peixe tenta aumentar seus rendimentos apostando no marketing com seu nome.

Novo Robinho? O temor da diretoria é que o garoto force a barra para sair como fez Robinho em 2005. Irritado por não ser negociado com o Real Madrid, o jogador resolveu não treinar mais e forçou a barra até conseguir sua transferência.

Wagner e o pai do jogador garantem que não pensam em agir de forma tão radical. No caso de Robinho, algo que pesou foi o fato de sua mãe ter sido sequestrada em 2004. No ano seguinte, o Real apareceu com uma oferta tentadora e ele pediu para sair.

Neymar tenta, mas não consegue esconder sua insatisfação com a situação. Em sua página pessoal no twitter, o garoto sempre mostra cordialidade e bom humor com os fãs, mas perdeu a linha com as diversas mensagens reclamando de seu desempenho e da equipe do Santos.

"A paciência tem limites e é melhor eu sair do twitter, e não esqueçam que o Santos está na final da Copa do Brasil!", escreveu em seu microblog.

O Santos torce para que o atacante abra mão de milhões de euros para ficar no clube por mais tempo, mesmo que desagradando o empresário, seu pai e a empresa dona de parte de seus direitos federativos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.