Leo Correa/AP
Leo Correa/AP

Neymar manda recado a críticos e adversários: 'Não vou mudar meu jogo'

Atacante do Barcelona também elogiou o técnico Tite: 'É um dos melhores com que trabalhei'

EFE

13 Outubro 2016 | 17h50

Neymar garantiu nesta quinta-feira, em evento realizado por um patrocinar em Barcelona, que seguirá sendo o mesmo jogador, independente das críticas que recebe e da violência de alguns adversários. "Se eles não são felizes assim, só podem dar cotoveladas e pancadas. Eu não vou mudar meu jogo", garantiu o atacante da seleção brasileira.

O craque ainda falou sobre a ótima relação que mantém com os companheiros de ataque no time 'blaugrana', o argentino Lionel Messi e o uruguaio Luis Suárez. "A magia do trio é a amizade que temos", explicou o camisa 11 do Barça e 10 da seleção brasileira.

Neymar ainda voltou a cravar o nome do 10 da Argentina como o melhor jogador do mundo na atualidade, lembrando que se trata de um importante personagem do futebol mundial. "É difícil apontar alguém melhor que ele agora, pelos títulos e pela forma como joga. O melhor é Messi", garantiu o ex-Santos, completando ainda que não consegue entender as críticas que o companheiro recebe no país natal.

No evento, Neymar ainda falou sobre a conquista do ouro olímpico com a seleção brasileira, em agosto, admitindo que saiu do gramado do Maracanã, após a decisão com a Alemanha, com a sensação de alívio pela vitória nos pênaltis. "Não começamos bem, houve muitas críticas e muitos falavam mal de nós, mas, no fim, melhoramos nosso jogo, apresentamos bom futebol e vencemos. Foi um dos momentos mais difíceis da minha vida, ganhando no meu país, com minha família e meus amigos. Não tem preço", contou.

Neymar também elogiou o técnico Tite, que assumiu a seleção brasileira e alcançou quatro vitórias em quatro jogos pelas Eliminatórias. Neymar só não particicpou do último jogo, contra a Venezuela, porque estava suspenso. "É um dos melhores técnicos que já trabalhei. Está sendo um prazer ser jogador do Tite. Tenho certeza que ele nos levará para Copa do Mundo e, quem sabe, a conquistar o título também."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.