Wilton Júnior/Estadão
Wilton Júnior/Estadão

Neymar manda recado aos mexicanos: ‘Falaram demais e foram embora para casa’

Atacante desabafa após o jogo sobre as críticas e afirma: 'eu vim para ganhar, não para outra coisa'

Ciro Campos, enviado especial / Samara, O Estado de S.Paulo

02 Julho 2018 | 13h43

Neymar marcou um gol e participou diretamente do outro, feito por Firmino, na vitória da seleção brasileira por 2 a 0 sobre o México nesta segunda-feira, em Samara, pelas oitavas de final da Copa do Mundo. Eleito melhor jogador da partida, o camisa 10 deixou o campo reclamando da deslealdade do time adversário. No segundo tempo, Neymar levou um pisão no tornozelo de Miguel Layún quando estava caído fora de campo - o árbitro de vídeo foi consultado sobre o lance, mas não puniu o jogador mexicano.

+ Torcida mexicana vai da euforia à frustração após eliminação para o Brasil

+ Saiba contra quem e que horas é o jogo do Brasil nas quartas da Copa do Mundo

+ Neymar brilha, Brasil vence o México e se classifica às quartas da Copa

Ao desabafar, ele não resistiu e mandou um recado aos mexicanos, que o chamaram de cai-cai antes da partida. "É complicado apanhar. Eu só sofro a dor, faz parte. Tomei um pisão que acho que foi desleal, fora da jogada. Eles não podem fazer isso. Eles falaram demais antes da partida e agora foram embora para casa."

Na entrevista oficial após o jogo, ao lado do técnico Tite, Neymar foi impedido pelo treinador de responder sobre o que disse o técnico Juan Carlos Osorio, de que o lance com o atacante e Layún foi uma palhaçada do árbitro. Mas fez mais uma vez um desabafo ao ser questionado sobre qual seria o motivo para tentar provocá-lo. 

"Eu acho que é para tentar minar mais do que qualquer outra coisa. Eu não ligo muito para críticas, às vezes nem mesmo para o elogio. Isso pode influenciar a cabeça do atleta. Esses últimos dois jogos eu não falei com a imprensa porque eu não queria polêmica, tem muita gente falando, uns se alteram, não sei se querem aparecer. Eu só tenho que jogar futebol, ajudar minha equipe, eu vim para ganhar, não para outra coisa", afirmou.

"Espero poder melhorar cada vez mais, sabia que precisaria de ritmo para voltar ao meu nível normal. Hoje já me sinto muito melhor, estou muito feliz pela partida de hoje, parabenizo toda a equipe pelo trabalho, esforço, estamos melhorando cada vez mais."

Neymar levou seis faltas durante a o duelo e foi fundamental para a vitória brasileira. Ele abriu o marcador no segundo tempo após grande jogada de William. No segundo, recebeu no contra-ataque, tocou na saída de Ochoa, que desviou com os pés. Firmino aproveitou a sobra e mandou para as redes.

"Quero parabenizar toda equipe pelo jogo de hoje. Tiveram momentos que sofremos. A gente demonstrou que sabe sofrer. Foi difícil, muito sofrido. O importante é que o time demonstrou qualidade e mereceu a vitória", analisou Neymar.

Philippe Coutinho viu o jogo também de maneira semelhante. No primeiro tempo ele falou sobre as dificuldades enfrentadas pela seleção brasileira e depois destacou a tranquilidade para conseguir matar a partida. "Tivemos paciência para atacar no momento certo. Tivemos essa mentalidade. No segundo tempo fomos melhores e merecemos a vitória", disse.

Um dos segredos da vitória, segundo o meio-campista, foi a visão da comissão técnica de analisar como foi a primeira etapa e mexer na equipe taticamente no segundo tempo. Nos 45 minutos finais, Coutinho, William e Neymar revezaram o posicionamento, ajudaram mais na saída de bola e o time dominou o adversário.

"O staff é importante porque tem visão melhor para ajustar o time. Fizemos isso no segundo tempo e melhorou a nossa saída de bola. O mais importante foi a vitória, a classificação. Agora vamos pensar no próximo jogo", afirmou.

A seleção brasileira agora volta a campo na próxima sexta-feira, às 15h (de Brasília), em Kazan, pelas quartas de final. Enfrentará o vencedor do duelo entre Bélgica e Japão, que jogam ainda nesta segunda-feira, às 15h, em Rostov.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.