Enrique Marcarian/Reuters
Enrique Marcarian/Reuters

Neymar nega desabafo após segundo gol na vitória por 4 a 2 contra o Equador

'Não dei recado para ninguém', afirma o atacante da seleção brasileira

Sílvio Barsetti e Paulo Galdieri, O Estado de S. Paulo

14 de julho de 2011 | 11h48

CÓRDOBA - Criticado pelas duas atuações ruins nos dois primeiros jogos da Copa América, contra Venezuela e Paraguai, Neymar foi decisivo para o Brasil na vitória por 4 a 2 sobre o Equador, em Córdoba, na última quarta-feira, que classificou a seleção brasileira às quartas de final da Copa América como líder do Grupo B. O atacante do Santos fez dois gols e, após marcar o seu segundo e quarto do País no confronto, levou a mão ao ouvido como que se estivesse pedindo, ironicamente, por novas críticas.

Após o duelo contra os equatorianos, porém, o jovem negou que tenha feito um desabafo. "Não dei recado para ninguém. Só fiz o gol e estou feliz por ter marcado dois gols. Não foi para provar nada pra ninguém, pois não tenho que provar nada. Foi para um amigo meu esse negócio da orelha (o gesto), já que eu brinco com ele sobre isso", desconversou.

Mas, com ou sem desabafo, o fato é que o atacante brilhou em um dia no qual desta vez Paulo Henrique Ganso, seu amigo e parceiro de Santos, esteve apagado na maior parte do tempo. O meia, que havia dado duas assistências no empate por 2 a 2 com o Paraguai, fez o passe que resultou no primeiro gol de Neymar diante do Equador.

"Estou evoluindo e, como já havia comentado, falei que estava errando alguns passes e sempre vou buscar uma melhora. E hoje (quarta-feira) pude ajudar a seleção deixando o Neymar na cara do gol", lembrou Ganso.

Já o lateral-direito Maicon, que deu o passe para o segundo gol de Neymar contra os equatorianos, afirmou que espera poder seguir na equipe titular no próximo domingo, quando o Brasil enfrentará o Paraguai, às 16 horas, em La Plata, pelas quartas de final da Copa América. Ele ficou na reserva de Daniel Alves nos dois primeiros duelos da competição e preferiu não se colocar como novo titular, apesar da boa atuação na última quarta-feira.

"Procurei dar o meu melhor, espero ter correspondido à altura e espero ter oportunidade de novo no domingo. O Daniel é um grandíssimo jogador e a seleção está bem servida nessa posição (lateral direita), e cabe ao Mano (Menezes) escolher quem vai jogar", disse Maicon.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.