Divulgação
Divulgação

Neymar pai diz que 'ano de 2014 foi difícil', mas exalta superação

Com contusão que tirou o jogador do Mundial, pai de Neymar avalia 2014 como uma parte difícil na carreira do jogador

GONÇALO JUNIOR, Estadão Conteúdo

23 de dezembro de 2014 | 15h45

A derrota do Brasil para a Alemanha por 7 a 1, na Copa do Mundo realizada no País, e a contusão que tirou Neymar do Mundial na partida contra a Colômbia, nas quartas de final, ainda produzem efeitos. Ao fazer um balanço de 2014, Neymar Silva Santos, o pai de Neymar, avalia que o ano foi difícil, mas que prefere olhar para a frente, como faz seu filho.

"O ano de 2014 foi difícil. O Neymar sempre foi um cara capaz de pular barreiras. Quando tinha idade para jogar no infantil, ele estava no juvenil. Quando estava no juvenil, já era profissional. Ele sempre conseguiu pular etapas. Vamos olhar para a frente, como ele faz", afirmou o pai do jogador do Barcelona.

A afirmação foi feita durante uma entrevista coletiva realizada na tarde desta terça-feira, em Praia Grande, em Santos, durante a inauguração do Projeto Instituto Neymar Jr., instituto criado pelo jogador para desenvolver projetos sociais, educacionais e esportivos para famílias carentes da região. A cerimônia de inauguração contou com a presença de Neymar Silva Santos, vice-presidente da instituição, representantes do Barcelona, que também participa do projeto, da prefeitura de Praia Grande, e do governo estadual.

O local escolhido para erguer o complexo educacional e esportivo foi o bairro Jardim da Glória, onde o jogador do Barcelona passou boa parte de sua infância. Serão oferecidas gratuitamente aulas de futebol, vôlei, natação, judô, basquete, música e dança, informática em uma completa infraestrutura com campo de futebol, quadras, academias, refeitórios. A instituição atenderá aproximadamente 2300 crianças, dos 7 aos 14 anos. O instituto foi criado com investimentos de R$ 25 milhões em um imóvel cedido pela Prefeitura de Praia Grande por 30 anos no valor de R$ 15 milhões.

Para ser beneficiado pelo instituto é preciso ser morador nas regiões de Aeroclube, Aprazível, Guaramar, Guilhermina, Marília, São Sebastião, Sítio do Campo e Vila Sônia, todos na Praia Grande, ter renda familiar per capita de R$ 140,00 e ser cadastrado no Programa Bolsa Família. As crianças devem estar matriculadas em escolas da região com frequência de 90%.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolNeymar

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.