Franck Fife/AFP
Franck Fife/AFP

Neymar pede desculpas para Cavani na frente do grupo após entrevero, diz jornal

De acordo com o L'Équipe, o brasileiro teria se desculpado com o uruguaio na frente do elenco a fim de apaziguar os ânimos

O Estado de S.Paulo

21 de setembro de 2017 | 17h50

A relação profissional entre Neymar e Cavani pode estar próxima de um 'recomeço'. De acordo com a imprensa francesa, os dois atacantes do Paris Saint-Germain teriam feito as pazes nesta quarta-feira depois do entrevero em que ambos se envolveram durante a última partida do Campeonato Francês, no domingo.

De acordo com o jornal L'Équipe, o brasileiro, tido como um dos vilões no caso - que envolveu até o lateral Daniel Alves -, teria pedido desculpas para o centroavante uruguaio na frente do elenco no vestiário da equipe.

O periódico francês afirma que Thiago Silva, zagueiro do PSG, serviu de intérprete para o brasileiro, que teria lamentado sua atitude durante e depois da vitória sobre o Lyon por 2 a 0. Na ocasião, ele e Cavani discutiram por uma cobrança de falta, com Daniel aparentemente roubando a bola do uruguaio e entregando a Neymar. Ainda na mesma partida, o mesmo se repetiu em uma cobrança de pênalti, com o camisa 10 sendo contrariado desta vez.

A imprensa europeia afirmou que o capitão da equipe parisiense foi, inclusive, quem separou uma briga entre os dois atacantes no vestiário após o jogo. O brasileiro teria partido para cima do uruguaio após ser questionado por ele. A briga, no entanto, teria deixado o uruguaio isolado no grupo.

O técnico Unai Emery, por sua vez, se ausentou da discussão sobre quem deveria cobrar faltas e pênaltis no time. Sem informar a hierarquia atual, ele afirmou em entrevista que os dois são capazes de decidir quem poderá efetuar as cobranças de faltas e pênaltis.

Nesta quinta, Daniel Alves respondeu aos comentários do uruguaio Diego Forlán, que saiu em defesa do seu compatriota e disse que ele não deveria ter se envolvido na discussão. "Não deveria haver uma terceira pessoa na discussão. É infantil. Mas eles são amigos, são brasileiros, e se defendem", afirmou o atacante celeste.

Em sua conta no Twitter, o lateral brasileiro negou mais uma vez que tenha ajudado Neymar. "Não sei qual jogo vocês assistiram, mas para sua informação eu não tirei a bola de nenhum companheiro, pelo contrário, me roubaram ela", afirmou. "E para que se lembrem, o último gol de falta do PSG fui eu quem fiz, então parem de envolver meu nome em polêmicas".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.