Khaled Elfiqi/EFE
Khaled Elfiqi/EFE

Neymar pode completar três anos de invencibilidade pela seleção neste domingo

Atacante perdeu pela última vez na Copa América de 2015, no Chile, diante da Colômbia

Almir Leite, Ciro Campos, Leandro Silveira, enviados especiais / Rostov, O Estado de S.Paulo

17 Junho 2018 | 07h22

A seleção brasileira e o seu principal jogador, Neymar, podem atingir um importante retrospecto neste domingo caso não percam para a Suíça, em Rostov, pela estreia na Copa do Mundo. Há três anos, em 17 de junho de 2015, o Brasil perdeu uma partida pela última vez com a presença do atacante em campo, marca que pode ser ampliada se a equipe confirmar o favoritismo e passar sem derrota pelo primeiro compromisso na Rússia.

+ Brasil estreia em busca de redenção após o 7 a 1

+ Geração de Neymar estreia de olho em revanche contra suíços

+ Dona Ivone, mãe de Tite, aposta em vitória magra na estreia

O resultado negativo em questão foi pela Copa América, no Chile. Em Santiago, o Brasil perdeu por 1 a 0 para a Colômbia e, após o apito final, Neymar se envolveu em uma discussão com os adversários e acabou expulso. O gesto lhe rendeu uma punição pelas partidas seguintes, válidas pelas Eliminatórias, quando sua ausência acabou por enfraquecer o time e contribuir para resultados negativos.

Com Neymar no elenco, o Brasil não perdeu mais desde então. Em jogos oficiais, foram só duas derrotas. E um outro revés em um amistoso. Pelas Eliminatórias a seleção perdeu para o Chile, na estreia, por 2 a 0, em outubro de 2015. O atacante estava suspenso e não participou do jogo. Na Copa América Centenário, em 2016, nos Estados Unidos, ele não foi convocado pois havia sido liberado pelo Barcelona para disputar os Jogos Olímpicos do Rio-2016. Com isso, foi "poupado" de participar de derrota por 1 a 0 para o Peru.

 

No único amistoso perdido pela seleção desde então, Neymar também não estava. Na derrota por 1 a 0 para a Argentina, na Austrália, em junho do ano passado, o atacante ficou fora da convocação. Tite preferiu dar descanso ao atacante, que foi liberado para curtir as férias, e promoveu mais experiências no time. Depois disso, a seleção não perdeu mais nenhum encontro.

Aquela derrota para a Colômbia, inclusive, é a única de Neymar em jogos oficiais pela seleção brasileira (amistosos não contam). Na última Copa do Mundo a equipe perdeu as duas partidas finais, contra Alemanha e Holanda, quando já não contava com o camisa 10 em campo por estar machucado.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.