David Vincent/AP
David Vincent/AP

Neymar rebate críticas e diz que vai continuar festejando: 'Meu momento de relaxar'

Astro do Paris Saint-Germain e da seleção brasileira garante que não é imaturo e que sabe a hora de sair para curtir em meio à pandemia e sua agenda

Redação, O Estado de S.Paulo

02 de fevereiro de 2021 | 11h19

Neymar sempre foi o dono dos holofotes, seja dentro ou fora das quatro linhas. Astro do Paris Saint-Germain e da seleção brasileira, o atacante nunca deixou de festejar com seus 'parças', o que sempre repercutiu em sua imagem como atleta. Em recente entrevista ao canal francês LCI, o brasileiro rebateu as críticas que sofre e diz que nunca irá parar de se divertir.

"Então, quem é que não gosta de festejar? Todo mundo gosta de curtir", declarou Neymar. "Eu sei quando posso ir, sei quando posso fazer isso e quando não posso", rebateu o astro. E não é só no Brasil. O camisa 10 é mundialmente conhecido por comandar festas com diversas celebridades, chamando a atenção da mídia quase que instantaneamente. É um dos jogadores mais ativos nas redes sociais.

"É o contrário do que as pessoas pensam, de que sou imaturo, de que não sei o que estou fazendo", respondeu o jogador. Neymar completará 29 anos na próxima sexta-feira e, recentemente, às vésperas de ano novo, se envolveu em polêmica em que daria uma comemoração com 150 convidados no Rio de Janeiro, apesar da pandemia do coronavírus que assola o mundo.

Além disso, Neymar fez questão de enfatizar que não acredita que suas atitudes extra-campo influenciem seu desempenho nas partidas. "Estou no futebol há muitos anos", declarou. "Se você ficar 100% com a cabeça focada em apenas jogar bola, na minha opinião, você vai acabar explodindo. Este é meu momento de relaxar, de ficar calmo... Eu nunca vou deixar de fazer isso", garantiu.

Técnico do PSG, Mauricio Pochettino já foi questionado sobre a possibilidade de Neymar comparecer à festa de aniversário da irmã, tradicionalmente realizada próxima ao carnaval no Brasil. "Nós veremos quando a hora chegar", disse o treinador. "Quando comecei a comandar o PSG, disse a mim mesmo que seria inflexível e que não deixaria ninguém sair. Depois de 12 anos na profissão, me dei conta que é importante ser flexível e gosto de negociar tudo. A nova geração gosta de dar sua opinião e de ser ouvida. Você não consegue nada com coisas impostas. Você tem de negociar", completou o técnico.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.