Neymar reclama de ter de jogar no domingo de carnaval

Jogador só não se lembra de que foi o próprio Santos que pediu a partida domingo, apostando no melhor público

O Estado de S. Paulo

10 de fevereiro de 2013 | 21h28

SÃO PAULO - Depois de prometer grande atuação na partida da tarde deste domingo de carnaval contra o Paulista para apagar a frustrante derrota no amistoso da seleção brasileira contra a Inglaterra, no meio da semana passada, Neymar, além de não ter conseguido cumprir a promessa – o Santos tomou um baile do time do Interior e perdeu por 3 a 1 –, saiu reclamando da tabela do Campeonato Paulista por ter de jogar no meio da folia de Momo.

"É ruim perder, ainda mais no carnaval. Jogo de domingo de carnaval não é pra qualquer um. O pessoal de folga, não é para trabalhar. Faz no sábado o jogo", desabafou o atacante, que teve a global Bruna Marquezini – suposta namorada do craque – presente nos camarotes do Pacaembu.

Foi a primeira derrota da equipe de Muricy Ramalho no Paulistão, em sete jogos disputados.

O que o jogador, que recebe cerca de R$ 3 milhões mensais, se esqueceu é que foi a própria diretoria do Santos que pediu que a partida fosse disputada no domingo, em vez de sábado, como estava marcada pela Federação Paulista. A diretoria santista apostou num bom público domingo de carnaval jogando no Pacaembu – o que de fato aconteceu, com cerca de 18 mil pagantes.

Mas não foi só o fato de ter de trabalhar domingo de carnaval que deixou Neymar irritado. A chuva que caiu copiosamente no Pacaembu e, além de prejudicar o bom futebol, castigou o penteado do craque, mereceu reprimenda "A chuva atrapalhou um pouco, prejudicou nosso futebol, que é rápido e de bola no chão. No primeiro tempo não deu, no segundo, tentamos, mas ficamos vulneráveis."

Neymar não comemorou o gol de honra do Santos, que marcou no fim da partida e o deixou na artilharia isolada do campeonato, com seis gols:  "O meu gol não adiantou nada", disse o camisa 11.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.