Sascha Schmann/AFP
Sascha Schmann/AFP

Neymar reclama por ter sido poupado no PSG: 'Tive de acatar'

Atacante garante que tinha condições de jogar mesmo com dores na costela

Redação, O Estado de S.Paulo

18 de fevereiro de 2020 | 22h29

A derrota do Paris Saint-Germain por 2 a 1 para o Borussia Dortmund, nesta terça-feira, no jogo de ida das oitavas de final da Liga dos Campeões, também ficou marcado pela volta de Neymar aos gramados. O atacante ficou fora de quatro partidas por causa de uma fissura na costela e exibiu insatisfação com a comissão técnica e o departamento médico do clube francês por isso.

Neymar avaliou que tinha condições de voltar a atuar pelo PSG antes, criticando a cautela do comando do clube em utilizá-lo, optando por poupá-lo em partidas por competições nacionais. "Tive de acatar. Tive várias discussões, não curti o que propuseram. Mas respeitei. Isso acaba sendo ruim para mim e os companheiros", disse, após o duelo na Alemanha.

Por causa do problema na costela, Neymar não atuava desde 1º de fevereiro. Ele afirmou que poderia ter voltado a jogar pelo PSG na segunda da série de quatro partidas - contra o Lyon - em que desfalcou o time.

"Tinha uma fissura, mas não era nada que me impedisse de jogar. Para o jogo contra o Lyon (9 de fevereiro), já meio que estava preparado para jogar, já queria jogar. Mas adiaram e adiaram novamente", acrescentou.

A cautela do PSG com Neymar tem relação com as lesões sofridas pelo atacante. Afinal, nas duas temporadas anteriores, ele só participou do jogo de ida das oitavas de final contra o Real Madrid na 2017/2018 e nem enfrentou o Manchester United na 2018/2019. E o clube parisiense foi eliminado da Liga dos Campeões nesses confrontos.

Em seu retorno ao PSG, Neymar teve boa atuação, com um gol marcado e uma bola na trave, mas não evitou a derrota por 2 a 1. O confronto de volta, na França, será disputado em 11 de março.

Tudo o que sabemos sobre:
NeymarfutebolParis Saint-Germain

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.