Neymar reforça otimismo em relação à parceria com Messi

Atacante diz ter aprendido muito na temporada, com a Copa, e que sua meta e ganhar títulos pelo Barcelona e esticar contrato até 2020

Gonçalo Junior, O Estado de S. Paulo

23 de dezembro de 2014 | 19h18

O balanço que Neymar faz de 2014 tem um lado de tristeza e outro de alegria. No capítulo negativo, ele cita a Copa do Mundo no Brasil, na qual sofreu uma lesão na coluna no jogo das quartas de final contra a Colômbia e ainda viu a seleção ser derrotada por 7 a 1 pela Alemanha. Nas alegrias, cita a boa temporada no Barcelona e a parceria firme com Messi em seu segundo ano na Espanha.

"Foi um ano de aprendizado, um ano de alegrias e tristezas. Tivemos a Copa, em que estava realizando um sonho de jogar o Mundial no Brasil, mas as coisas não saíram como nós planejamos. Do outro lado, estou me sentindo bem no Barcelona e fiz boas apresentações", afirmou o craque. "Espero que 2015 seja apenas de alegrias."

O clube espanhol reconhece o bom momento e estuda a ampliação do contrato do jogador que terminaria em 2018 até 2020. "É claro que o Barcelona vai querer renovar com ele. Até 2020, sim!", disse seu empresário, Wagner Ribeiro. Neymar não coloca como uma de suas prioridades para 2015 a conquista do prêmio de melhor do mundo. Disputam o prêmio de 2014 seu companheiro Messi, o rival Cristiano Ronaldo e o goleiro Neuer. "Não penso nisso. Penso em conquistar títulos pelo Barcelona e ser feliz."

A primeira conquista na mira de Neymar é a Liga dos Campeões. Em fevereiro, o Barcelona vai enfrentar o Manchester City pelas oitavas de final. "Vamos procurar vencer e buscar esse título, importante". O balanço de 2014 e os planos para 2015 foram revelados por Neymar nesta terça à tarde, no evento de inauguração do instituto que leva seu nome e vai desenvolver projetos sociais e educativos no litoral. "Estou fechando o ano com chave de ouro, é a realização de um sonho meu e da minha família."

Tudo o que sabemos sobre:
futebolneymarfc barcelonafutinter

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.