REUTERS/Sarah Meyssonnier
REUTERS/Sarah Meyssonnier

Neymar diz que não sabe se volta a jogar no Brasil e revela vontade de atuar nos EUA

Em entrevista ao podcast ‘Fenômenos’, jogador do PSG e da seleção brasileira destacou a extensão das férias e o número reduzido de partidas como atrativos para disputar a MLS

Redação, O Estado de S.Paulo

21 de fevereiro de 2022 | 14h30

Com 30 anos completados no início de fevereiro, Neymar começou a ter o futuro de sua carreira debatido pelos fãs de futebol, em especial os torcedores brasileiros, que sonham com um possível regresso do craque ao Brasil. Em entrevista ao podcast "Fenômenos", apresentado por Ronaldo e pelo streamer Gaules, o jogador do Paris Saint-Germain voltou a comentar um retorno ao País, mas também destacou o desejo de atuar nos Estados Unidos.

"Não sei se volto a jogar no Brasil. Tenho muita vontade de jogar nos Estados Unidos. Pelo menos uma temporada. Primeiro porque o campeonato lá (MLS) é curto, você tem uns três ou quatro meses de férias. Dá para jogar um monte de ano ainda", disse o atleta.

Longe dos gramados brasileiros desde os 22 anos, quando deixou o Santos em direção ao Barcelona, Neymar nunca escondeu o carinho que possui pelo time da Baixada. Na comemoração de seu aniversário, o jogador comentou em publicação do alvinegro praiano nas redes sociais: "Já já nosso caminho se cruza".

Sobre um possível ponto final na carreira, Neymar destacou que, mais importante do que sua saúde física, é preciso estar bem psicologicamente. Em entrevista no ano passado, o jogador já havia tratado desse tema, especulando que a Copa do Catar pode vir a ser a sua última.

"Brinco muito com meus amigos, falo que com uns 32 já está bom. Mas, sinceramente, não sei. Vou jogar até cansar mentalmente. A partir do momento em que eu estiver bem de cabeça e de corpo... De corpo, acho que eu vou conseguir durar mais uns aninhos, mas é a cabeça que precisa estar bem. Mas uma idade, não tracei isso. Tenho contrato com o Paris até os 34. Então, até lá estou jogando", afirmou.

Ainda no podcast, Neymar destacou sua amizade com Messi, com quem divide os holofotes atualmente no PSG e admitiu que “fez de tudo” para deixar o time parisiense em 2020 para voltar ao Barcelona. 

"O time ainda precisa engrenar um pouco mais, mas esperamos poder fazer história para cima do teu Real Madrid", brincou Neymar com Ronaldo. O PSG venceu o Real Madrid por 1 a 0 na partida de ida das oitavas de final da Liga dos Campeões.

Ao final, repercutindo o início do ano de Copa do Mundo, o atleta brasileiro lamentou o distanciamento do torcedor da seleção brasileira, além de citar França, Alemanha e Argentina como favoritas para a conquista.

"Hoje em dia, a seleção brasileira se distanciou muito do torcedor brasileiro. Não sei o motivo, quando começou, por que aconteceu, mas vejo isso pelos nossos jogos. É pouco comentado, as pessoas não sabem quando vai ser. E isso é ruim. É triste viver nesta geração em que a seleção brasileira joga não é importante. Não sei como chegamos a esse estado, mas tenho esperança que isso tudo volte, o torcedor possa estar junto e ir em busca da Copa do Mundo, que todo mundo quer", completou Neymar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.