Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

'Neymar sabe bem o que ele representa', afirma Juninho Paulista

Pentacampeão pelo Brasil, meia afirma que atacante merece um cuidado especial

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

24 de junho de 2018 | 05h00

Campeão mundial com a seleção brasileira na Copa de 2002, Juninho Paulista mostra confiança para a sequência do Mundial, entende que Neymar pode fazer a diferença e merece um cuidado especial. Em entrevista ao Estado, o ex-meia apontou seus favoritos para o título, defendeu o trabalho de Tite e disse o que achou dos dois primeiros jogos do time brasileiro no Mundial.

+ 'A seleção brasileira ainda não jogou', critica Luizão

+ Rivellino vê Brasil em evolução, mas critica início da seleção na Copa

+ Leão analisa Brasil na Copa: 'Sustos vieram para correções serem feitas'

O que achou da atuação da seleção contra a Costa Rica?

Gostei muito. Aprovei o primeiro tempo da partida contra a Suíça e o segundo tempo diante da Costa Rica. O Brasil foi mais agressivo e soube dominar o adversário. Talvez, se tivéssemos mais agressividade, toque de bola rápido e penetrações, o jogo seria até mais tranquilo. Faltou um pouco de concentração e jogadas pelas pontas e pelo meio, algo que melhorou quando o Firmino entrou, pois deu uma povoada no meio de campo. Firmino, Gabriel Jesus e Douglas Costa juntos deram certo. O Brasil mudou de atitude, o Tite foi ousado na substituição e acho que estamos no caminho.

Acha que a seleção está sabendo lidar bem com a pressão?

Estamos sofrendo como todas as outras seleções. Muitos favoritos estão vencendo por 1 a 0 e acredito que Copa do Mundo é assim mesmo. Não tem jogo fácil e não dá muito para ficar escolhendo adversários, pois é um torneio curto. Tem que tentar ganhar todas. Não ganha, vem pressão mesmo e o fato de ter empatado na estreia criou essa situação. Chegamos a dominar a Costa Rica e vi que, em alguns momentos, a ansiedade atrapalhou. Um resultado ruim poderia complicar demais a situação.

O Neymar é quem mais está sentindo essa pressão?

O Neymar é humano. Ele sabe da importância dele e de tudo que está ao seu redor. Ele vê redes sociais e o que as pessoas falam e pensam sobre sua vida e futebol. Se ele não sentisse toda essa responsabilidade é que seria anormal. A gente tem que lembrar que ele ficou três meses parado, está se recuperando de lesão e atuou só uma partida por 90 minutos antes de começar a Copa.

Contra a Costa Rica, acredita que ele foi bem?

Eu gostei mais dele nesta partida e a tendência é ele ir melhorando de acordo com as partidas. Quando você para de jogar, é natural perder o ritmo. Creio que ele evoluiu bastante de um jogo para o outro e a tendência é evoluir ainda mais. Ele não é uma máquina e as pessoas precisam lembrar disso antes de cobrá-lo. Há momentos que ele vai jogar e ir bem e, em outros, nem tanto.

 

Quanto ao Tite, aprova o trabalho dele?

Na primeira partida, eu estranhei o fato dele não colocar o Fernandinho no lugar do Casemiro, pois daria uma nova cara ao time, mas é difícil falar alguma coisa estando longe. Futebol tem muita coisa que acontece nos bastidores. Isso é uma coisa que você acaba sentindo nos treinamentos. Acredito que o Tite tenha uma experiência nova e está assimilando bem tudo isso. Ele sabe bem o que é a pressão de comandar a seleção brasileira, já que passou por vários grandes clubes do Brasil e sempre teve muito sucesso. O Tite é um treinador que tem um relacionamento franco com sua comissão técnica e, em caso de problema, sabe como gerenciar bem a situação. Confio muito nele.

E na seleção brasileira, dá para confiar e falar em título? Quem são seus favoritos?

Eu acredito no Brasil, sim. É uma seleção que vai crescer ao longo da Copa do Mundo e pode conquistar o título. Eu gosto muito também da França. É uma seleção que tem muita qualidade individual e vejo ser um time bem parecido com o do Brasil. Eu aposto na Espanha e na Bélgica também. Se for para arriscar em uma surpresa, eu colocaria a Croácia. É um time que está jogando muito bem e tem uma qualidade diferenciada no meio de campo, com Modric e Rakitic. Creio que essas são as seleções que mais me chamaram atenção nessas primeiras rodadas do Mundial.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.