Anne-Christine Poujoulat / AFP
Anne-Christine Poujoulat / AFP

Neymar se defende após agressão a torcedor: 'Ninguém tem sangue de barata'

Atacante empurrou fã do Rennes que provocava jogadores do PSG após perda do título da Copa da França

Redação, O Estado de S.Paulo

28 de abril de 2019 | 12h42

O atacante Neymar mais uma vez ganhou as manchetes dos jornais de todo o mundo por uma ação fora de campo. O brasileiro tinha tudo para ser um dos destaques do possível título do Paris Saint-Germain na Copa da França contra o modesto Rennes, mas não evitou a derrota da equipe parisiense neste sábado - e pior, ainda agrediu um torcedor da equipe rival após o fim do jogo.

Após sair vencendo por 2 a 0, o PSG surpreendenetemente permitiu o empate e o jogo foi para os pênaltis. Nas cobranças alternadas, o time parisiense errou a sexta batida e deixou o título escapar.

Na hora da cerimônia de entrega das medalhas, os atletas do Paris Saint-Germain subiram das arquibancadas para a tribuna para receberem as premiações e, em dado momento, passaram por um torcedor do Rennes que estaria os provocando e xingando. Neymar, por sua vez, foi um dos que passou mais próximo ao fã, e o empurrou após ser provocado.

Horas após o incidente, o camisa 10 do PSG foi às redes sociais para dar a sua versão dos fatos. Ele comentou a postagem de um dos seus assessores de imprensa, que alegava que os jogadores do PSG foram xingados pelo torcedor, e afirmou que foi provocado e reagiu exageradamente, admitindo o erro. "Tô errado? Estou. Mas não tenho sangue de barata", afirmou.

Um vídeo da agressão flagra o torcedor chamando o goleiro Buffon de "idiota" (Bouffon, em francês), o italiano Verratti de "racista" e dizendo ao brasileiro que ele "aprenda a jogar bola". Ele, no entanto, negou ter xingado os jogadores do PSG na saída do estádio e disse que sofreu um corte nos lábios e um sangramento no nariz com a agressão do brasileiro.

"Eu não o insultei, disse que ele era ruim. O futebol é assim. Quando os jogadores passaram, eu disse a eles: 'Vocês são ruins, vai Rennes'", afirmou, em entrevista ao L'Équipe. "Naquela altura, eu estava tremendo, com um corte no lábio, e meu nariz estava sangrando", contou.

Em seus perfis nas redes sociais, Neymar não falou sobre a agressão. Ele comemorou o retorno ao time com uma foto sentado no banco de reservas, lamentando a derrota na final da Copa da França - ele converteu o quinto pênalti do PSG, mas o time perdeu a disputa alternada por 6 a 5.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.