Albert Gea/Reuters
Albert Gea/Reuters

Neymar será convocado para depor sobre transferência, diz rádio

Contratação pelo Barcelona é investigada pelo MP espanhol

O Estado de S. Paulo

03 de abril de 2015 | 12h40

Segundo a rádio da emissora espanhola Cadena Ser, o atacante brasileiro Neymar, do Barcelona, terá de depor como testemunha no caso sobre uma suposta fraude em sua própria transferência do Santos para o clube catalão. O processo de fraude fiscal é movido contra Sandro Rossell, ex-presidente do Barça, e Josep Maria Bartomeu, atual mandatário.

De acordo com o veículo, Neymar será interrogado por conta de ter seu nome assinado em 9 dos 13 documentos com o Barcelona. A contratação do atacante brasileiro, em 2013, ainda é investigada e o Ministério Público espanhol estima que, caso a fraude seja comprovada, mais de 13 milhões de euros (R$ 45,4 milhões) teriam sido desviados de impostos sonegados sobre contratos 'secretos'. A investigação aponta que os documentos começaram a ser assinados em 2011, e Neymar já teria jogado o Mundial de Clubes da Fifa de 2012, contra o próprio Barcelona, 'vendido' para o clube catalão.

A Audiência Nacional indica que Rossell, presidente à época da contratação do brasileiro, 'disfarçou' o custo do negócio com pagamentos divididos. Bartomeu, que dirige o clube atualmente, é acusado de ser cúmplice. Quando assumiu o Barcelona, o atual presidente convocou uma entrevista coletiva para tentar 'esclarecer' e divulgar o contrato de Neymar. Sandro Rossel havia afirmado que a transação girara em torno de 57 milhões de euros (R$ 195 milhões), mas Bartomeu ainda revelou os valores de luvas, comissões de agentes, direitos de imagem, acordos com o Santos, com a empresa do Pai de Neymar e com o Instituto Neymar Jr.

Desta forma, estima-se que o 'novo' valor total da transferência tenha sido de 82 milhões de euros (R$ 281,4 milhões). Entre os acordos firmados com o Santos, está o de 'prioridade de transferência' do Barcelona sobre três promessas do time da Vila Belmiro. O Ministério Público espanhol permanece investigando o caso, que deve ter mais desdobramentos nos próximos dias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.