Ricardo Mazalan/AP
Ricardo Mazalan/AP

Neymar será julgado nesta quinta-feira por cartão vermelho

Camisa 10 pode desfalcar Brasil até a decisão do torneio

Almir Leite e Gonçalo Junior, enviados especiais a Santiago, O Estado de S. Paulo

18 de junho de 2015 | 08h37

Neymar será julgado nesta quinta-feira pelo Tribunal de Disciplina da Conmebol pela expulsão na derrota para a Colômbia por 1 a 0, na noite de quarta-feira, pela Copa América. O atacante está suspenso por, no mínimo, dois jogos - um pelo cartão amarelo que levou durante a partida (toque de mão) e outro pelo cartão vermelho.  

A suspensão foi confirmada por representantes da Conmebol que estavam no Estádio Monumental, em Santiago. No final da partida, o jogador reconheceu o erro pela expulsão, mas criticou a arbitragem. "Eu assumo a responsabilidade. Desde os meus 17 anos, eu assumo tudo o que eu faço", afirmou o jogador em entrevista após a derrota. 

Como o regulamento da Copa afirma que o jogador expulso de forma direta não tem sua advertência anterior anulada, ele terá acumular as suspensões. O julgamento vai definir se duas ou mais partidas. 

Neymar não poupou críticas à atuação do árbitro Enrique Osses. Para o atacante, o chileno interferiu diretamente no resultado do jogo. “Quando colocam juiz fraco para apitar acontece isso”, reclamou. Ele admitiu nervosismo durante o jogo, e culpou Osses por seu abalo emocional. “Nada me tirou do sério. Só fico p... com os árbitros que não apitam direto.”

O atacante também se queixou da falta de critério dos árbitros na competição. “As regras são sempre usadas contra mim. O cara da Colômbia limpou a espuma antes de uma falta e não tomou amarelo, mas eu tomei contra o Peru”, afirmou. 

Fora do jogo contra a Venezuela, Neymar acredita que os companheiro conseguirão a vitória. “Confesso que nosso time não foi bem, confesso que eu não joguei bem. Não tem problema nenhum, assumo total responsabilidade pelo que aconteceu. Não tem jogador invencível, uma hora eu tinha de perder. Acabei perdendo hoje. Confio nos meus companheiros para que eles possam vencer a próxima partida.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.