Antonio Lacerda/EFE
Antonio Lacerda/EFE

Neymar será sócio da Nike em linha de produtos

Craque terá uma porcentagem sobre a venda de peças que serão lançadas em novembro

Luís Augusto Monaco, O Estado de S. Paulo

30 de maio de 2013 | 08h03

SÃO PAULO - O casamento de Neymar com a Nike vai ser turbinado por sua contratação pelo Barcelona, o time de futebol número um da gigante de material esportivo. E o craque começará a colher os frutos disso em novembro, quando a empresa fará o lançamento mundial de uma linha de produtos que levará o seu nome.

Como é praxe nesses casos, o atleta ficará com uma porcentagem – que geralmente é de 5% – sobre o montante das vendas. E a parte que couber a Neymar ficará toda para ele, porque seu contrato com o Barça lhe dá direito integral sobre seus contratos de publicidade – no Santos ele dava 10% (que eram 30% até novembro de 2011) para o clube, e se fosse para o Real Madrid ficaria com apenas 50%.

O fato de Neymar ter sido contratado por um time da Nike facilita muito o trabalho da empresa, porque ele exibirá a marca em todas as situações. Não é o caso, por exemplo, de Cristiano Ronaldo, que joga num time da Adidas. Se o craque começar bem sua trajetória pelo Barça – com direito a dois amistosos em agosto na Ásia, um mercado onde tanto o clube como a empresa são muito fortes –, a possibilidade de as vendas arrancarem com força é grande.

O grande ícone da Nike é o ex-jogador de basquete Michael Jordan, que mesmo dez anos depois de ter encerrado a carreira fatura de US$ 60 milhões (R$ 126,6 milhões) a US$ 65 milhões (R$ 137,1 milhões) por ano com sua participação na venda da "linha Jordan" – que movimenta em torno de US$ 1 bilhão (R$ 2,1 bilhões).

A linha de Cristiano Ronaldo rende 70 milhões de euros (R$ 190,4 milhões). Se a fatia do português for de 5%, o valor que lhe cabe é de 3,5 milhões de euros (R$ 9,5 milhões). Mas metade disso ele é obrigado a entregar para o Real Madrid. Em sua terceira temporada no Barça (2005/2006), quando já tinha dois títulos de melhor do mundo, Ronaldinho Gaúcho viu sua linha vender 130 milhões de euros (R$ 353,6 milhões pelo câmbio de ontem). Se recebeu 5% disso, embolsou R$ 17,5 milhões.

Este ano a revista SportsPro apontou Neymar, pelo segundo ano seguido, como o esportista com maior potencial de marketing no mundo. E previu que quando ele fosse para a Europa seus ganhos com publicidade cresceriam muito. Se a previsão se confirmar, a partir de novembro o craque (que já recebe R$ 5,4 milhões/ano da Nike) vai se dar muito bem.

APRESENTAÇÃO

Neymar fará uma viagem relâmpago a Barcelona para vestir pela primeira vez a camisa do time dos seus sonhos. Ele partirá do Rio junto com seu pai, o agente André Cury e Eduardo Musa (que cuida de sua agenda) domingo, às 20h, num jatinho fretado pelo clube. A chegada está prevista para às 11h40 (horário espanhol), e assim que colocar os pés no chão ele começará uma correria para cumprir compromissos e voltar para o aeroporto a tempo de chegar a Goiânia na manhã de terça-feira para se juntar à seleção.

O craque vai almoçar com o presidente Sandro Rosell, posar para a foto de assinatura do contrato e depois descerá para o vestiário para colocar o uniforme e pisar pela primeira vez no gramado do Camp Nou. A diretoria tem certeza de que haverá mais do que as 50 mil pessoas que prestigiaram a apresentação do atacante sueco Ibrahimovic em 2009 – recorde na história do clube. A mãe e a irmã de Neymar já estão em Barcelona procurando casa para a família.

Notícias relacionadas
    Tudo o que sabemos sobre:
    futebolNeymarNikeBarcelona

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.