Natacha Pisarenko/AP
Natacha Pisarenko/AP

Neymar vai assistir ao jogo contra Venezuela nos vestiários

Comissão técnica quer evitar exposição após suspensão do craque

GONÇALO JUNIOR E ALMIR LEITE, Estadão Conteúdo

21 de junho de 2015 | 17h01

O atacante Neymar vai assistir ao jogo entre Brasil e Venezuela, pela terceira rodada do Grupo C da Copa América, nos vestiários do Estádio Monumental, em Santiago. Havia a possibilidade de que ele visse a partida nos camarotes, mas a comissão técnica preferiu evitar a exposição. A suspensão de quatro partidas imposta pela Conmebol por causa da expulsão no jogo contra a Colômbia se refere unicamente ao gramado e ao banco de reservas.

Nesta segunda-feira, a Comissão de Apelação da Conmebol deve começar a julgar o recurso apresentado pela CBF que pede a redução da pena de quatro para três jogos. A expectativa é que o resultado seja conhecido ainda nesta segunda ou terça-feira pela manhã. Se o recurso for acatado, Neymar voltaria à seleção brasileira em uma hipotética final, caso o Brasil chegue até lá. Se a pena for mantida, o atacante estará realmente fora da Copa. Nesse caso, o técnico Dunga e também os representantes da CBF afirmam que a decisão de permanecer no Chile será unicamente do jogador.

"A decisão tem de ser dele em primeiríssimo lugar, com apoio e acompanhamento da comissão técnica. Nós não vamos em nenhum momento tomar ou estimular qualquer decisão. Aquilo que o Dunga falou tem muita consistência: a decisão que ele tomar será boa para ele e será boa para a equipe também. ", afirmou Walter Feldman, secretário-geral da entidade, em Santiago.

Os dirigentes afirmam que têm mantido contato estreito com o atacante. ""Eu diria que falamos com ele o tempo todo, a presença do Gilmar e do Dunga ocorre o tempo todo. O acompanhamento para que esse momento difícil que tanto o Neymar como a seleção brasileira estão passando foi dado, do ponto de vista jurídico, psicológico, pessoal. Neymar se sente hoje muito abrigado por tudo aqui", explicou Feldman. "Nós damos o apoio necessário e adequado sem intervir. Porque a ação direta se dá através do Dunga e da comissão técnica".

Durante o treinamento de sexta-feira, o primeiro após a punição, Neymar estava cabisbaixo, não comemorou os gols e foi o primeiro a sair, algo diferente do que costuma fazer.

Além de ter acertado uma bolada em Armero propositalmente no final da derrota contra a Colômbia, Neymar tentou dar uma cabeçada no zagueiro Murilo. No túnel que dá acesso ao vestiário, Neymar agrediu verbalmente o árbitro chileno Enrique Osses, fato que foi relatado na súmula e que complicou bastante a situação do jogador. Além disso, o delegado da partida, o uruguaio Washington Rivero, relatou uma tentativa de agressão física do atacante contra o árbitro. Isso, no entanto, não está na súmula.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.