Nike diz cooperar com investigações da Justiça dos EUA

A Nike confirmou que foi procurada por autoridades dos Estados Unidos que investigam o escândalo de corrupção que abalou a Fifa nesta quarta-feira. A fornecedora de material esportiva não é patrocinadora da entidade, mas tem vínculo com federações, como a CBF, para patrocinar diversas seleções nacionais.

Estadão Conteúdo

27 de maio de 2015 | 20h16

A empresa norte-americana afirmou que está cooperando com as investigações, mas não deu detalhes sobre quais suspeitas recaem sobre a famosa marca. Há suspeita de irregularidades no contrato da Nike com a CBF, cujo ex-presidente José Maria Marin foi um dos detidos nesta quarta por uma operação da Justiça norte-americana em Zurique, na Suíça.

De acordo com a investigação americana, a Nike teria pago uma propina de US$ 40 milhões (cerca de R$ 127 milhões) em uma conta na Suíça para fechar um contrato com a CBF para patrocinar a seleção brasileira. Segundo o levantamento, o acordo avaliado em US$ 140 milhões (R$ 445 milhões) rendeu em pagamentos paralelos e depositados no paraíso fiscal alpino.

As duas empresas que teriam recebido o dinheiro seriam a Traffic Sports International Inc. e a Traffic Sports USA Inc. -, que estão sediadas na Flórida (EUA). Ambas são citadas pela Justiça americana. Os suíços já indicaram que contas foram bloqueadas. Mais cedo nesta quarta, Marco Polo del Nero, atual presidente da CBF, se recusou a comentar o contrato da Nike.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolFifaescândaloNike

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.