Juan Mabromata/AFP
Juan Mabromata/AFP

No aniversário de Messi, beijo de Sampaoli representa trégua antes de decisão

Atacante completa 31 anos em meio a turbulência entre o elenco e o técnico

Gonçalo Junior, enviado especial / Bronnitsy, O Estado de S.Paulo

24 Junho 2018 | 09h26

No dia do seu aniversário de 31 anos, Lionel Messi chegou abraçado ao ex-companheiro de Barcelona, Mascherano, ao centro de treinamento em Bronnitsy, nos arredores de Moscou neste domingo. Ao entrar em campo, ele recebeu os cumprimentos do colega Ansaldi. Depois, Messi recebe um beijo do técnico Jorge Sampaoli no centro do gramado.

+ Desfalcada, Argentina treina em clima de funeral e zagueiro pede "fé em Deus"

+ "Não acho que será muito difícil enfrentar a Argentina", diz destaque da Nigéria

+ Uma camisa, duas torcidas: Brasil e os adversários de Argentina e Alemanha

Nas redes sociais, Messi também ganhou os parabéns da esposa Antonella Roccuzzo e de amigos famosos, como Luis Suárez e Neymar. O gesto fraternal do treinador simboliza, pelo menos momentaneamente, uma trégua no conturbado clima da seleção argentina.

A Associação de Futebol da Argentina (AFA) decidiu manter o técnico para a partida decisiva diante da Nigéria, terça-feira, em São Petersburgo. Os jogadores haviam se rebelado e pedido a saída do técnico após a catastrófica derrota para a Croácia por 3 a 0. Messi estava entre os insatisfeitos. A permanência de Sampaoli foi decidida pelo presidente Claudio Tapia e informada aos atletas neste domingo.

A Argentina realizou um treinamento tático a dois dias do duelo decisivo contra a Nigéria. A escalação e o esquema tático que serão utilizados, no entanto, são uma incógnita. Uma das mudanças confirmadas é a saída do goleiro Caballero, que falhou no primeiro gol da Croácia. Seu substituto deve ser Armani.

 

Último goleiro a levantar um troféu com a Argentina (Copa América de 1993), Sérgio Goycochea falou sobre Willy Caballero em um simpósio da Conmebol, em Moscou, neste sábado. "Foi uma jogada de azar, em que Caballero tomou uma decisão ruim. Ponto. O resto é com o treinador, que sabe o que acontece internamente, como isso vai afetá-lo mentalmente para tomar a decisão", disse o ex-jogador, que disputou a Copa de 1990.

A comissão técnica permitiu que os jornalistas acompanhassem apenas os 15 primeiros minutos, dedicados ao aquecimento e leve preparação física. O time viaja para São Petersburgo, local da partida, nesta segunda-feira.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.