Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

No Barcelona, Neymar terá que repensar lista de patrocinadores

Sandro Rossel deixou claro que os patrocínios não devem atrapalhar compromissos dentro de campo

Robson Morelli , O Estado de S. Paulo

14 de junho de 2013 | 14h26

BRASILIA - Neymar terá de repensar alguns de seus parceiros agora no Barcelona. Na entrevista do presidente do clube espanhol quinta-feira sobre o fechamento da temporada, Sandro Rossel deixou bem claro que todos os seus jogadores, inclusive Neymar, são responsáveis por correr atrás de seus patrocinadores, primeiro desde que isso não atrapalhe seus compromissos dentro de campo e também que as escolhas sejam compatíveis ou não firam os interesses do própro Barcelona. O recado era para Neymar. O atacante e seus assessores tentam desde o fim do ano passado entrar na concorrência dos garotos-propaganda de companhias aéreas.

Neymar trabalha com a possibilidade de fechar com TAM ou GOL. A GOL é patrocinadora oficial da seleção brasileira. O garoto com a camisa da seleção é capa da última edição de bordo da empresa. Ocorre que o Barcelona tem como parceiro em sua camisa a Qatar Foundation, que também é uma companhia aérea do Catar. Sandro Rossel já deveria estar sabendo dessa possibilidade de Neymar fechar com uma das companhias brasileiras. Por isso, mandou seu recado. Depois da Copa das Confederações, o atacante se apresenta de vez no clube espanhol.

Tudo o que sabemos sobre:
FutebolNeymarBarcelona

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.