No Brasil, Zinedine Zidane joga bola com Eduardo Suplicy

Em sua 1.ª visita ao Brasil, ex-jogador inaugura quadra de futsal na favela de Heliópolis, em São Paulo

Gabriel Navajas, Jornal da Tarde

16 de março de 2008 | 12h28

O ex-jogador Zinedine Zidane inaugurou neste domingo uma quadra de futsal na favela de Heliópolis, em São Paulo. O francês, que visita pela primeira vez o Brasil, ainda desafiou o senador Eduardo Suplicy, do PT, em uma cobrança de penalidades. O ex-craque Zinedine Zidane, de 35 anos, foi recebido com festa na favela de Heliópolis, zona Sul de São Paulo, na manhã deste domingo (16/3). O francês veio ao Brasil para atender aos patrocinadores. O seu primeiro ato foi reinaugurar uma quadra na favela, como parte do projeto para a Copa de 2014. "É um prazer muito grande estar aqui. Até a Copa, está prevista a inauguração de uma quadra por ano no Brasil. Sempre com um jogador diferente. Para mim é como juntar o útil ao agradável", disse.Zizou não ficou mais do que sete minutos no local. Chegou as 11h08, recebido com muita gritaria, principalmente das crianças, e foi embora as 11h15. Teve tempo de dar o pontapé inicial e ainda bater um pênalti no senador Eduardo Suplicy (fez o gol, claro), uma das presenças ilustres no local, assim como Aloizio Mercadante e a ex-jogadora de basquete Marta Sobral, que realiza trabalho social em Heliópolis. Não falou nada, distribuiu algumas camisas autografadas e, rapidamente, foi embora para atender mais um compromisso, coletiva em um clube de São Paulo.Na entrevista, falou sobre diversos assuntos. Disse que o Brasil é e sempre será o melhor futebol do mundo. E espera que a Copa de 2014 possa alavancar a questão social no país."Na França foi assim. O povo se mobilizou. Uma Copa é importante porque faz o país crescer como um todo, tem de ser assim aqui também." Ele também comentou sobre o amigo Ronaldo. "Sempre o número 1. Eu acredito que ele possa voltar a jogar. Em 2002 foi a mesma coisa e ganhou a Copa."Os outros tópicos da entrevistaHeliópolis o fez lembrar da infância pobre em Marselha"De algum modo, parece onde eu cresci. Lembrei de imagens da minha juventude. É uma realidade difícil, mas não deixa de ser fantástico ver tudo isso."O que faz depois que parou"Muitas coisas. Essa viagem, por exemplo, só pude fazer porque tenho tempo. Quando era jogador viajava muito, mas só pensava no jogo. Agora estou aprendendo muita coisa e estou muito feliz."Quem admira no futebol hoje e quem pode ser o novo craque do futebol mundial depois de você?"Hoje em dia a técnica não tem mais um papel tao importante. O jogador tem de estar fisicamente bem preparado para agüentar tantas competições. Os camisas 10 desapareceram. Antes tinham mais. A tática prevalece, mas sempre haverá bons jogadores.Não posso dizer quem é melhor. Há muitos jogadores. Os dois melhores da história sao Pelé e Maradona. Mas eu gostaria de acrescentar o DI Stéfano. Depois, os outros (risos). Mas há quem goste de Zidane, Cruyff... Francescoli (Enzo, uruguaio que já parou de jogar também) é meu ídolo, um jogador que eu apreciava muito, jogou na minha cidade (Marselha). Aprendi muito com ele. Acho que somos parecidos no estilo de jogar. Hoje há muitos jogadores de 17, 18 anos, mas não vejo nenhum que me inspiraria."Sabor especial em enfrentar o Brasil?"Quando jogava contra o Brasil era sempre especial. É o melhor futebol do mundo. E quando a gente entra em campo vamos sempre com algo mais. Ninguém é maior que o Brasil. Sobre cabeçada no italiano Marco Materazzi na final da Copa de 2006"Faz parte da minha vida. Assumo e pronto."Trabalhos sociais"Quando a gente vem de um lugar menos favorecido, a gente quer devolver o que recebeu da vida. Me faz muito bem porque eu estou servindo as pessoas. Muito importante. Mas há muito o que se fazer. Mas sempre faço tudo isso naturalmente, como foi hoje.Proposta do futebol dos Estados Unidos"Recebi oferta. Mas as coisas não aconteceram. Agora é muito tarde. PAssei para o outro lado. Houve propostas, mas não vingaram."Apesar de ser carrasco do Brasil em Copas, é visto como herói no Brasil."Me considero como um dos seus. Para mim o Brasil é um exemplo. Dizem que o futebol veio da Inglaterra. Pode até ser verdade, mas os brasileiros o reinventaram. Espero que não me considerem alguém que fez mal ao Brasil. Era um jogo, todo mundo quer vencer."Que time te faz ficar colado na TV hoje?"Manchester e Arsenal"O que espera da França na Eurocopa? Quais os favoritos?"Citar favoritos é difícil, eu não sei. Complicado falar disso. Sei que a França tem chance mesmo em um grupo difícil."Onde¨pode ver o futuro do futebol? "Futebol africano pode surpreender para 2014. Vejo várias equipes africanas chegando."O que achou da escolha da copa no Brasil em 2014? Virá pra cá?"Claro que virei. Mas com a Copa aqui as chances das outras seleções vão diminuir, mas é o futebol."Na tarde deste domingo, o jogador disputou uma partida no clube Paineiras, no Morumbi, ao lado de ex-jogadores brasileiros. O time de Zidane perdeu por 4 a 3. Atualizado às 19h45 para acréscimo de informação

Tudo o que sabemos sobre:
Zinedine ZidaneEduardo Suplicy

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.