No campo, Marcos não justifica interesse

O goleiro Marcos é desejado por Corinthians, Santos, Cruzeiro, um grupo de empresários israelenses quer colocá-lo no Porto, de Portugal. Mas a diretoria do Palmeiras resiste ao assédio e exige o pagamento de US$ 5 milhões para liberar o camisa 1 da seleção brasileira no pentacampeonato da Ásia em 2002. "O Marcos é uma lenda do Palmeiras. Assim como foram Oderdan Catani, Valdir de Moraes e Leão", afirma o diretor de Futebol, Salvador Hugo Palaia. "Ele só sai se quiser". Só que Marcos não vem ratificando dentro de campo a condição de um dos maiores goleiros brasileiros dos últimos tempos. Com um grave contusão no punho esquerdo, ele pouco tem atuado. Outros três casos tiveram o mesmo diagnóstico, entre eles Dennis Rodman e Isiah Thomas, estrelas da NBA, e nenhum escapou da aposentadoria. Desde de janeiro do ano passado até hoje diante do São Caetano, o Palmeiras entrou em campo 119 vezes. São Marcos, como foi apelidado pela torcida, entrou em campo apenas em 45 jogos. Foram 19 em 2004 e 26 este ano. Menos de 40%. Toda esta irregularidade deve-se à contusão que o jogador sofreu no punho esquerdo em 2000. Marcos teria defendido o pênalti decisivo de Marcelinho Carioca na semifinal da Libertadores contra o Corinthians com fortes dores. Jogou a Copa do Mundo de 2002 no sacrifício e ainda assim foi um dos grandes destaques da equipe de Carlos Alberto Parreira, tendo uma atuação excepcional na final contra a Alemanha. No segundo semestre de 2002, Marcos caiu juntamente com o Palmeiras para a Série B do Campeonato Brasileiro. Em janeiro de 2003, chegou a viajar para Londres, onde quase fechou contrato com o Arsenal. Mas não aceitou a proposta. "Quero subir com o Palmeiras", prometeu Marcos, que em abril teve uma de suas piores atuações pela equipe de Palestra Itália na humilhante derrota por 7 a 2 para o Vitória-BA na Copa do Brasil. Em 2004, após uma fraca atuação no empate por 4 a 4 frente ao Santo André, no Palestra Itália, que eliminou o time da Copa do Brasil, Marcos foi xingado pelos torcedores e chamado de frangueiro. O fantasma da contusão voltou em junho em um treino da seleção brasileira antes do jogo contra a Argentina pelas Eliminatórias. Marcos foi submetido à segunda cirurgia e esteve em campo apenas 19 vezes. O Palmeiras jogou 68 partidas. Só voltou a atuar em janeiro deste ano. Até agora o Palmeiras jogou 51 partidas. Marcos atuou oito vezes nos dez duelos pela Libertadores. No Paulista, jogou em dez dos 19 jogos e até agora no Brasileiro foram oito presenças em campo em 22 rodadas. "Só posso escalar o Marcos depois que a situação dele for definida", cobrou o técnico Emerson Leão, que diz estar preparando o goleiro para a Copa do Mundo da Alemanha.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.