No Chile, São Paulo usa lição de Leão

"Na Libertadores, é preciso vencer em casa e fazer pontos fora". A frase de Leão ainda está viva na lembrança dos jogadores do São Paulo, que enfrentam o Universidad de Chile, em Santiago, a partir das 22h30 desta quinta-feira, pela quinta rodada da primeira fase do Grupo 3 da Libertadores.Se cumprir o proposto por Leão, o São Paulo fica muito próximo da classificação - com uma vitória garante o primeiro lugar; com um empate, continua na liderança - mas até que ponto a ausência do treinador, que se transferiu para o Japão, pode atrapalhar o time?As opiniões são controversas. "O jogo é muito duro. O time deles é bem armado e ainda por cima não teremos Leão no banco. Ele faz muita falta", diz Juvenal Juvêncio, vice-presidente de futebol. "Não sei quanto o Leão fará falta. É um ótimo treinador, mas nós conhecemos bem o Milton Cruz, podemos render bem mesmo sem ele", analisa Rogério Ceni. "Acho que não sentiremos a falta do Leão, apesar de ele ser um grande técnico. Nós temos estilo de jogo definido, vamos continuar jogando com muita raça", diz Josué.Cruz, que dirigirá o time nas próximas duas partidas, manteve a escalação recomendada por Leão. Ausência, apenas de Grafite, suspenso por conta da polêmica expulsão contra o Quilmes, na quarta-feira, dia 13.Sem Grafite, Milton Cruz apostará pouco nos contra-ataques. A idéia é marcar forte, impedindo a saída tranqüila dos volantes chilenos. Danilo e Diego Tardelli deverão acompanhá-los duramente. Luizão, não. Fica fixo na frente tentando marcar o seu 25.º gol em Libertadores. Se conseguir, igualará Palhinha, que jogou nos anos 70 e 80, como maior artilheiro brasileiro na competição.Os volantes marcarão os meias adversários e os laterais - sempre uma boa opção de ataque - terão a missão de vencer o duelo com seus companheiros de posição.O empate é bom, mas para Lugano é muito importante o São Paulo vencer. "Nunca podemos esquecer que mudou o regulamento da Libertadores. É preciso fazer o máximo de pontos para garantir a classificação entre os primeiros e ter o direito de definir as próximas rodadas em casa. É difícil, mas a gente precisa voltar com os três pontos lá do Chile."Milton Cruz tem opções preparadas para mudar o esquema de jogo durante a partida. Tanto para segurar uma vitória parcial como para buscar um empate. Tem, também, a confiança dos jogadores. Entende de futebol, garante que aprendeu muito com Leão, mas não é Leão. O quanto isso pode fazer diferença, só se verá em campo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.