No Corinthians, a maldição da camisa 5

Quem acredita na maldição da camisa 5? A maioria dos jogadores do Corinthians diz que não. Mas, ao mesmo tempo, quem passou pelo Departamento Médico reconhece: é muita coincidência. Quatro jogadores que já vestiram a tal camisa no Campeonato Brasileiro se machucaram: Vampeta, Pingo, Fabrício e Cocito. Alguns, até mais do que uma vez. O volante Fabrício foi a última vítima: torceu o tornozelo direito no jogo contra o Vasco, quarta-feira retrasada. Não enfrentou o Internacional no domingo e deve voltar ao time na próxima partida, contra o Flamengo. Fabrício foi um dos poucos jogadores que participaram dos treinamentos em período integral. "Hoje já treinei forte. Acho que vai dar". Fabrício é o dono da camisa número 5. Se voltar ao time no domingo, vai jogar com ela. O volante nem pensa na hipótese de pedir para Geninho trocar o número de sua camisa. Hoje, depois do treinamento da manhã, foi um dos poucos que não correu do assunto. "A coisa está feia para os jogadores que vestem a camisa 5. Está todo mundo se machucando". O jogador está levando a questão com um certo bom-humor. "O jeito é tomar banho de sal grosso, colocar um galho de arruda na orelha e mandar fazer uma reza brava". Ao contrário de Fabrício, o volante André Luiz esbanjou antipatia. Hoje, mais uma vez, o jogador se recusou a conversar com os jornalistas. Por intermédio de um dos assessores de imprensa do clube, mandou seu recado. "É um direito que eu tenho. Só vou falar quando tiver a minha escalação confirmada". Geninho não está muito otimista quanto as chances de contar com André Luiz no próximo jogo. Até agora ele não treinou com bola. Mas como ainda restam quatro dias até o jogo contra o Flamengo, no Maracanã, o treinador ainda não perdeu totalmente a esperança.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.