Natacha Pisarenko/AP
Natacha Pisarenko/AP

No dia seguinte à vitória na estreia da Copa, Uruguai recebe advertência da Fifa

Seleção sul-americana é notificada pela invasão de campo dos reservas na hora de gol sobre o Egito

Estadão Conteúdo

16 Junho 2018 | 20h26

Um dia depois de estrear na Copa do Mundo da Rússia com vitória sobre o Egito por 1 a 0, a delegação do Uruguai teve um sábado descontraído, com direito a jogos, comemoração do aniversário de 32 anos do goleiro Muslera e até churrasco. Mas também teve algo indigesto: uma advertência da Fifa.

+ Suárez admite frustração por gols perdidos pelo Uruguai: 'Não estive à altura'

+ Desistências de patrocinadores e cartolas 'esvaziaram' jogo do Uruguai, diz Fifa

De início, os dirigentes uruguaios pensavam se tratar de comunicado de abertura de investigação sobre a atitude do atacante Luis Suárez, que bateu com o braço em um jogador adversário na celebração do gol. Mas não foi isso.

A associação de futebol do país foi notificada sobre a invasão de campo pelos reservas e atletas substituídos durante a partida na comemoração do gol da vitória, do zagueiro José Giménez, aos 44 minutos do segundo tempo. Por enquanto, é apenas um aviso da entidade. Se ocorrer novamente, será aplicada multa.

O aviso não atrapalhou a divertida programação uruguaia deste sábado. Pela manhã, os jogadores que não atuaram contra o Egito fizeram trabalho leve no campo. Os titulares fizeram musculação e treinamento regenerativo na piscina, na concentração de Nizhny Novgorod.

 

Depois jogaram boliche, bilhar e dardo e participaram de churrasco preparado pelo chef Aldo Cauteruccio. E ainda comemoraram o aniversário de 32 anos de Muslera.

Campeão da Copa América de 2011 e com 98 jogos pelo Uruguai, o atleta vai igualar o recorde de 13 partidas em Mundiais pela seleção do país ao jogar os dois próximos duelos da primeira fase contra a Arábia Saudita, nesta quarta-feira, às 15 horas (de Brasília), em Rostov, e Rússia, no dia 25, em Samara.

O dono da façanha é a lenda Ladislao Mazurkiewicz, goleiro das Copas do Mundo de 1966, 1970 e 1974. Ele, que jogou no Atlético Mineiro, morreu em 2013.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.