No Juventude, revolta contra Heber

Com a suspeita contra o árbitro Heber Roberto Lopes, acusado de favorecer o Botafogo no jogo do dia 11 de junho, no Rio, os jogadores do Juventude ficaram indignados. Principalmente o atacante Enílton, que foi expulso daquela partida após ser substituído, ao fazer gestos de que a equipe gaúcha tinha sido roubado.Neste jogo do Brasileirão, o Juventude vencia por 2 a 0, mas o Botafogo virou para 3 a 2, depois de ter dois pênaltis a seu favor. Muito contestada na época, a arbitragem de Heber Roberto Lopes foi colocada sob suspeita pelo empresário Nagib Fayad, que é réu confesso no escândalo da manipulação de resultados."Foi um momento de indignação por tudo que fomos prejudicados. Ele (Heber) deu dois pênaltis contra a gente e muitas faltas que não ocorreram", lembrou Enílton, ao comentar nesta quinta-feira o seu gesto na partida do dia 11 de junho.Apesar da revolta contra a arbitragem de Heber, Enílton prefere não falar em algo premeditado. "Não sei se ele estava mal-intencionado, mas no mínimo foi um dia muitoinfeliz, pois errou em vários lances. Eu fui muito prejudicado, pois peguei três jogos de suspensão?, afirmou o atacante do Juventude.Enílton também citou outra atuação desastrada de Heber, em um jogo que assistiu pela televisão. "Eu vi Botafogo e Santos, quando ele deixou de marcar muitas faltas para o Santos. Essa equipe foi prejudicada, e também jogando no Rio de Janeiro", acusou o jogador. O zagueiro Chicão, que também defendeu o Juventude no jogo com o Botafogo, revelou alguns detalhes que considera suspeitos na atuação de Heber no dia 11 de junho. "O primeiro gol deles foi de uma falta que não existiu. E o segundo, de um pênalti que também não houve. Já o pênalti do terceiro gol foi correto, pois eu toquei com a mão na bola. Mas está claro que ele (o árbitro) influenciou no resultado", afirmou.Mas Chicão disse que não há como garantir que o árbitro tenha cometido algum erro de forma proposital. "É difícil falar agora, mas dentro do jogo parecia haver alguma coisa. Ele marcou muitas faltas para o Botafogo e, para nós, menos. Além disso, é estranho que tenha apitado tantos jogos de clubes do Rio."

Agencia Estado,

20 de outubro de 2005 | 16h30

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.