Epitácio Pessoa/Estadão
Epitácio Pessoa/Estadão

No Morumbi, São Paulo busca reação diante do Bahia

Partida é oportunidade para apagar péssima impressão deixada pelo Tricolor paulista diante do Santos

FERNANDO FARO, O Estado de S. Paulo

10 de julho de 2013 | 08h00

SÃO PAULO - Nem parece que é nesta quarta-feira que o São Paulo enfrentará o Bahia pelo Campeonato Brasileiro, às 21h. Apesar do compromisso, adiantado pela CBF para o Tricolor disputar a Copa Suruga, no Japão, o assunto que tem dominado o clube desde sexta-feira é quem será o sucessor de Ney Franco, demitido após a derrota para o Corinthians, na Recopa. E, enquanto a diretoria trabalha para contratar Paulo Autuori rapidamente, os jogadores precisam reagir em campo para apagar a má impressão deixada na derrota para o Santos, no último fim de semana.

Motivação para os jogadores não falta, a começar pela possibilidade de mostrar serviço para o provável novo chefe. Como sempre acontece em trocas de comando, atletas que vinham tendo poucas oportunidades vislumbram a chance de uma volta por cima, fato acentuado pelos desfalques que o São Paulo terá hoje. Wellington e Denilson, suspensos, juntam-se aos lesionados Rafael Toloi e Douglas no grupo dos que certamente ficarão fora da partida.

Outras substituições podem acontecer por opção do interino Milton Cruz. Clemente Rodríguez, que chegou recentemente ao clube, deve ganhar uma oportunidade no lugar do contestado Juan. "Vou conversar com ele e sentir o que ele pensa. Dependendo, já posso utilizá-lo de início", indicou Milton, que deve dar chance ao jovem Lucas Farias na lateral direita e recolocar Rodrigo Caio no meio, ao lado de Maicon.

Quem pode perder o lugar é Paulo Henrique Ganso, que saiu vaiado do jogo contra o Santos. Milton estuda a possibilidade de escalar o time com três atacantes – o paraense seria o sacrificado para a entrada de Aloísio. "Já tenho uma base, mas vou ver o jogo inteiro deles (do Bahia) contra o Corinthians e uns jogos anteriores que eles fizeram fora de casa para ver a formação utilizada."

Se a equipe titular ainda é nebulosa, certo mesmo é que outro tropeço em casa jogará ainda mais lenha na fogueira entre torcida e jogadores. Contra o Santos, sobraram vaias e pedidos de "raça", um mantra cada vez mais entoado pelos são-paulinos insatisfeitos com o rendimento do time. Se vencer os baianos, o São Paulo chegará à terceira posição, com 11 pontos e uma partida a mais do que os concorrentes.

POLÍTICA

O Bahia também tem outras questões além da partida com que se preocupar. O clube ferve politicamente e foi abalado ontem pela derrubada de uma liminar que mantinha o presidente Marcelo Guimarães Filho na presidência.

O técnico Cristóvão Borges poderá contar com Fernandão no ataque, mas Hélder, com dores de joelho, está fora.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.