Glauco de Pierri/Estadão
Glauco de Pierri/Estadão

No Morumbi, torcedores do Nacional de Medellín pedem a volta de Borja

Boa parte dos colombianos que foram assistir jogo da seleção contra o Catar torcem para o ex-clube do jogador do Palmeiras

Glauco de Pierri, O Estado de S.Paulo

19 de junho de 2019 | 18h13

Foram apenas 27 jogos pelo Atlético Nacional de Medellín, mas a torcida 'Verdolaga' ainda não se esqueceu do atacante Miguel Angel Borja, colombiano de 26 anos que joga no Palmeiras, mas não anda em boa fase, não tem conseguido fazer muitos gols durante a temporada e pode ser emprestado ou vendido durante a parada da Copa América. Nesta quarta-feira, antes da partida entre Colômbia e Catar, no Morumbi, pelo torneio continental, os torcedores colombianos pediram a volta do jogador, banco de Deyverson nos últimos jogos do Campeonato Brasileiro, para seu ex-clube.

"Borja, volte para o Nacional e vamos ser felizes de novo", brincou Walid Saker, de 40 anos, um dos  torcedores mais animados da Colômbia antes do começo do jogo contra o Catar. "Com o Borja, conseguimos ser campeões da América de novo em 2016 e ele teve um desempenho muito bom. Fez gol até aqui nesse estádio, quem não se lembra? Se você perguntar, qualquer torcedor do Atlético Nacional vai querer ele de volta", disse o torcedor.

Saker se referia ao primeiro jogo da semifinal da Libertadores de 2016, quando o Atlético Nacional enfrentou o São Paulo no Morumbi e venceu por 2 a 0, com dois gols de Borja. Ele ainda marcou os dois gols na vitória por 2 a 1 no jogo de volta, em Medellín. No total, Borja fez 17 gols nos 27 jogos pela equipe colombiana. 

Outro torcedor do Atlético Nacional que veio ao Morumbi e deseja a volta de Borja é Fernando Díaz, de 36 anos. "Vi que ele quer voltar e nós queremos ele de volta. O treinador do Palmeiras deve ser louco, porque não se abre mão de um jogador com a qualidade dele. Sabemos que a fase em campo não anda lá essas coisas e é por isso que o mister (o técnico Carlos Queiroz) não convocou ele para a Copa América, mas um jogador não esquece como se joga e acho que ele seria muito útil em Medellín", disse Díaz, que estava vestido com a camisa do clube do coração.

Se do lado dos colombianos, o moral de Borja anda alto, dos palmeirenses nem tanto. Presentes no jogo devidamente uniformizados com a camisa do time de Felipão, Edson S., de 50 anos, e o filho Mateus, de 15, não ligaram muito para uma possível saída do jogador. "Acho que ele pode sair, nesse ano ele está mal", disse Mateus. "O Palmeiras está bem e ele está no banco, então, se chegar uma boa proposta, acho que pode ir sim", disse Edson.

Borja chegou ao Palmeiras no começo de 2017. A equipe pagou cerca de R$ 35 milhões aos colombianos, na contratação mais cara da história do clube. Até agora, em 101 jogos, ele marcou 33 gols. Contudo, depois de um bom ano de 2018, o jogador passou a ser coadjuvante na equipe do técnico Luiz Felipe Scolari em 2019.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.