Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

'No ônibus, pessoas se recusavam a sentar do meu lado', conta Jefferson

Em entrevista ao 'Estado', goleiro da seleção brasileira fala sobre racismo no futebol

Sílvio Barsetti - Enviado especial, O Estado de S. Paulo

28 de maio de 2014 | 07h01

TERESÓPOLIS - Um atleta convocado para uma Copa do Mundo com possibilidade remota de jogar pode estar dividido entre a alegria da escolha e a frustração da reserva. Essa é quase sempre a rotina dos goleiros brasileiros que disputam um Mundial. Para Jefferson, no entanto, a definição com antecedência de que Julio Cesar é o titular da posição não muda muita coisa. Nesta terça-feira, ele falou sobre isso na Granja Comary. Disse que seria hipocrisia alguém pôr em dúvida que a vaga é de Julio e que a opção de Luiz Felipe Scolari deve ser respeitada. No entanto, deixou claro que vai 'brigar' até o final para demover o treinador. Antes da apresentação do grupo em Teresópolis, Jefferson concedeu a seguinte entrevista ao Estado, na qual aborda também temas sobre o racismo.

ESTADÃO - Na eventualidade de o Brasil conquistar o título do Mundial, você, em especial, dedicaria a vitória ao goleiro Barbosa (que defendeu a seleção na Copa de 1950)?

JEFFERSON - É inevitável. Fizeram uma grande injustiça com ele, a família. Não merecia isso. Carregou por décadas a culpa de um gol que decidiu aquele título e muito disso se deu porque ele era negro. Foi crucificado por causa da cor da pele. Estamos aqui, eu, o Julio Cesar e o Victor, para representá-lo.

ESTADÃO - Como você tem reagido aos casos de racismo que se repetem no futebol?

JEFFERSON - Em geral, são atitudes isoladas. Alguns torcedores vão aos estádios, aproveitam a visibilidade do futebol e apelam. Virou moda. Os jogadores têm pouco poder para mudar isso. Não depende somente de nós. É preciso uma consciência mais ampla. Que envolva todos. Se uma pessoa presenciar outra fazendo algo indevido e grave num estádio, tem de denunciá-la. A responsabilidade é de todos. Na primeira rodada do Campeonato Brasileiro, um torcedor jogou uma garrafa de água em campo, no jogo entre Flamengo e Goiás, em Brasília, e ele foi denunciado por outros. Por que não fazer o mesmo em manifestações de racismo?

ESTADÃO - Você já foi vítima de discriminação racial?

JEFFERSON - Muitas vezes. Isso ocorria com mais frequência quando eu ainda era criança e adolescente. No ônibus, as pessoas se recusavam a sentar do meu lado. Em outras situações, quando eu me aproximava, mulheres seguravam a bolsa com mais firmeza. Uma vez, perguntei a hora para uma senhora, ela gritou e saiu correndo. É um estereótipo que permanece até hoje: jovem negro é quase sempre tratado como trombadinha.

ESTADÃO - Quem sente mais a falta de ritmo de jogo, goleiro ou jogador de linha?

JEFFERSON - É o goleiro, principalmente no aspecto técnico. Se fica sem jogar, perde logo a noção de espaço dentro da área; se posiciona mal em relação às balizas, erra com frequência nas saídas de bola. Toda vez que volto das férias, tenho a sensação que as traves têm cinco metros de comprimento.

ESTADÃO - Costuma-se dizer que o goleiro é quase um cargo de confiança do treinador.

JEFFERSON - É verdade, é assim que funciona, não tenho dúvida disso.

ESTADÃO - O técnico Luiz Felipe Scolari já declarou que Julio Cesar é o titular da seleção. Como você lida com isso?

JEFFERSON - Estou chegando bem maduro na seleção, com confiança e credibilidade. Vou sempre mostrar que tenho condições de brigar pela vaga. Não me importo com isso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.