Grigory Dukor/Reuters
Grigory Dukor/Reuters

No país da Copa, time tem de voar até 9 horas para jogar no Campeonato Russo

Enfrentar o Khabarovisk, time do extremo leste da Rússia, exigirá uma maratona aérea dos adversários

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

15 de julho de 2017 | 07h00

O Campeonato Russo começa neste fim de semana cercado de expectativa pelos novos estádios, pela proximidade com a Copa do Mundo de 2018 e pelo temor chamado SKA Khabarovisk. O time estreante na elite do futebol local amedronta os adversários pela distância, e não pela qualidade. Visitar a equipe vai exigir enfrentar pelo menos oito horas de voo, além da adaptação a seis horas de fuso em relação à capital, Moscou.

A imensidão do território russo faz a cidade de Khabarovisk estar a apenas duas horas de avião de Tóquio e a 6,5 mil km de Ecaterimburgo, destino mais próximo que terá para jogar na elite. O deslocamento mais longo é até São Petersburgo, sede do Zenit, que viaja ao leste do país para a estreia, domingo.

A equipe do meia brasileiro Giuliano deixará o oeste da Rússia para nove horas de voo. O tempo é suficiente, por exemplo, para ir de São Paulo até a Miami. "Ainda bem que é o nosso primeiro jogo, então estamos descansados. Não estamos com o desgaste por jogos em competições internacionais. Estamos bem preparados", disse Giuliano ao Estado

O jogador da seleção brasileira foi o destaque do time na última temporada, com 18 gols e 14 assistências. O plano do Zenit para jogar na distante cidade é manter o elenco no fuso horário de São Petersburgo, sem forçar a difícil adaptação.

Há nove anos o campeonato local não tinha um representante do extremo leste. O último era de uma cidade ainda mais longe. O Luch, de Vladivostok, fica sediado perto da fronteira com a Coreia do Norte.

Além da curiosidade pela longa viagem, o Campeonato Russo tem como atrativo os jogos em três novos estádios construídos para a Copa e a visibilidade internacional. 

"Como estamos perto de uma competição importante, o público acompanha com mais vontade o campeonato e os jogos vão ser mais difíceis e disputados", disse Giuliano.

O grande alvo dos clubes será superar o atual campeão, o Spartak de Moscou, que deposita a esperança de gols no atacante brasileiro Luiz Adriano. "A Copa do Mundo e a visibilidade fizeram os times se reforçarem bastante. A liga será muito mais visada. Como não tivemos saídas de jogadores, nossa expectativa é ser campeão novamente", disse Luiz Adriano ao Estado.

Assim como Giuliano, o ex-atacante do Inter se adaptou à Rússia graças à passagem anterior pelo futebol ucraniano. O aprendizado do idioma e a ambientação ao clima são problemas superados. "É um país bom para morar, com uma liga competitiva. Os russos vão querer jogar ainda mais, para entrarem na seleção deles."

COPA 2018

Para Giuliano, a temporada será importante para continuar nas listas de convocações do técnico Tite, da seleção. Os dois se conhecem desde 2008, quando trabalharam juntos no Inter, e a relação perdura.

"Eu procurei fazer a melhor pré-temporada possível. Sei que terei uma cobrança maior por conta da expectativa, mas tenho números positivos e me preparei muito mentalmente para poder ser convocado para a Copa", disse o jogador.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.