Sergio Castro/Estadão
Sergio Castro/Estadão

Diretoria do Palmeiras foca maior cobrança em cima dos jogadores

Diretoria espera resgatar confiança perdida nos últimos jogos

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

10 Novembro 2015 | 07h01

A diretoria e a comissão técnica do Palmeiras ainda tentam encontrar explicações para o motivo do time ter caído tanto de rendimento nos últimos jogos. A ordem é tentar fazer os atletas se reerguerem e chegarem bem na decisão da Copa do Brasil.

A organização tática da equipe não agrada a nenhum palmeirense, inclusive aos membros da diretoria, mas pelo menos por enquanto, o alvo das críticas dos dirigentes não é diretamente em cima do trabalho de Marcelo Oliveira.

O pensamento é que os jogadores é quem pararam de mostrar a disposição de outrora e alguns parecem desligados em campo ou com a cabeça longe do clube. Por isso, existe a tentativa de blindar o elenco para evitar que as notícias sobre negociações atrapalhem, mas a missão é das mais complicadas.

O time se reapresenta nesta quarta-feira e na quinta viaja para Atibaia, onde ficará até terça-feira, véspera da partida com o Atlético-PR, quarta-feira, dia 19. A decisão de ir para o interior foi a forma encontrada pelos dirigentes e comissão técnica de tentar uma última carta de fazer a equipe “se reencontrar”.

Embora uma boa parte da torcida critique o técnico Marcelo Oliveira, por enquanto ele não corre risco de demissão. O planejamento para o ano que vem está sendo feito com a participação do treinador, entretanto, uma derrota na Copa do Brasil, dependendo da forma que for, pode fazer os planos serem revistos.

Após a rodada deste final de semana, o Palmeiras permaneceu com 48 pontos e o nono lugar na tabela, com cinco a menos que o Santos, quarto colocado. Embora matematicamente a equipe alviverde ainda tenha chance de brigar pelo G-4, o discurso é que a missão ficou quase impossível, por isso, a preocupação é resgatar a confiança visando a final da Copa do Brasil.

Mais conteúdo sobre:
Palmeiras Futebol Brasileirão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.